Lucro real ou presumido: qual regime é melhor para minha empresa? Finanças e Tributos
29
jul

Lucro real ou presumido: qual regime é melhor para minha empresa?

Uma série de dúvidas e preocupações ocupam a mente de quem decide investir em um novo negócio. Talvez um dos pontos mais importantes para o planejamento das empresas, a carga tributária é um detalhe que exige bastante atenção. Os empreendedores têm à sua disposição, atualmente, três possíveis escolhas de regime tributário: Simples Nacional, Lucro Real e Lucro Presumido. Eles se diferenciam entre si por quais impostos serão pagos e como eles serão aferidos cobrados, a depender do porte, faturamento e atividade exercida pelo negócio. 

O Simples Nacional é, hoje, o regime tributário com as menores alíquotas menores e a administração mais simplificada. Entretanto, ele não é uma opção para todas as empresas do País: apenas aquelas com faturamento de até R$4,8 milhões por ano podem aderir ao regime. Aos demais negócios brasileiros, resta a escolha entre o Lucro Real e o Lucro Presumido.

Mas qual dos dois regimes tributários é mais vantajoso para a minha empresa? O Canal PME fez um compilado com os pontos principais de cada um deles. Confira!

As principais diferenças Lucro Real e Lucro Presumido

 

Lucro real

Neste regime tributário, o cálculo do imposto de renda de pessoa jurídica (IRPJ) e da contribuição social sobre o lucro líquido (CSLL) da empresa é feito com base no seu lucro efetivo — ou seja, a diferença entre receita, custos e despesas — dentro do período de apuração. Isso significa que quanto maior a lucratividade, maiores os valores dos impostos a serem pagos. O IRPJ tem uma alíquota de 15% para lucro mensal de até R$20 mil, com 10% adicional sobre a quantia que ultrapassar esse valor. A taxa para CSLL é de 9%.

A empresa também tem que incluir o Programa de Integração Social (PIS), a contribuição para o financiamento da seguridade social (Cofins) em seus cálculos tributários. Suas alíquotas são de 1,65% e 7,60%, respectivamente, e seu cálculo é feito de modo não cumulativo, com a possibilidade de deduzir algumas despesas.

O regime é obrigatório para empresas que: 

  • têm faturamento superior a R$78 milhões no ano atual ou no ano anterior;
  • são do setor financeiro
  • possuem benefícios fiscais como isenção ou redução de impostos;
  • têm lucro ou fluxo de capital originários de outros países.

 

Lucro presumido

Para as empresas que adotam o regime do lucro presumido, a apuração do IRPJ e da CSLL tem como base de cálculo uma margem de lucro pré-fixada pela legislação. Essa margem varia de acordo com a atividade desempenhada pelo negócio. Na atividade industrial, por exemplo, a margem de lucro presumida é de 8% da receita bruta; já para os prestadores de serviços, essa porcentagem é de 32%. Dessa forma, mesmo que a empresa tenha obtido uma margem de lucro maior, a tributação será sobre a margem pré-fixada.

No regime tributário do lucro presumido, IRPJ e a CSLL incidem trimestralmente e suas alíquotas são de 15% e 9%, respectivamente. As empresas que optam por ele também devem pagar PIS e Cofins, calculados de modo cumulativo — ou seja, sem a possibilidades de aproveitar descontos no momento do cálculo. Suas alíquotas são de 0,65% para PIS e de 3% para Cofins.

Afinal, qual deles eu devo escolher?

 

A escolha final sobre qual dos dois regimes é o ideal para a empresa passa por uma série de análises e cálculos. Esse regime pode variar de ano a ano, de acordo com o faturamento mensal, trimestral e anual do negócio. Contudo, é importante ter em mente quais os principais benefícios que cada um deles traz para o contribuinte.

No lucro real, destacam-se as seguintes vantagens:

  • tributação justa, pois os valores pagos e recebidos são resultado dos números apresentados pela empresa no período de apuração;
  • abertura para obter créditos no PIS e no Cofins;
  • possibilidade de optar pela apuração anual, desde que apresentados os resultados acumulados no período beneficiado pela política compensatória dos 30%;
  • não há a necessidade de pagar tributos sobre o lucro obtido caso a empresa tenha resultados negativos no período apurado.

Já no lucro presumido, as principais vantagens são:

  • cálculos mais simples; 
  • quando o lucro apurado é superior ao presumido, a empresa consegue economizar financeiramente;
  • as alíquotas de PIS e Cofins são inferiores às do lucro real.

De forma geral, devido à sua maior complexidade de cálculo, o regime do lucro real costuma ser mais adequado somente para grandes empresas, ou para negócios com margem de lucro menor que 32%. Caso a margem da seu empreendimento seja superior a isso e ele não possa se enquadrar no Simples Nacional, o regime do lucro presumido é provavelmente a melhor escolha.

Administre sua empresa e seus tributos com o MarketUP

Seja lucro real, seja lucro presumido, o sistema ERP a MarketUP pode ajudar com a gestão tributária do seu negócio. Com o MarketUP+, além da nossa plataforma totalmente gratuita de gestão empresarial, você tem acesso a um produto pensado especialmente para contemplar todas as necessidades da sua empresa. O MarketUP+ coloca em suas mãos uma série de serviços diferenciados e com o melhor custo-benefício, feitos para empreendimentos que se enquadram em todos os regimes de tributação.

Ficou interessado pelo MarketUP? Acesse o nosso site, conheça mais sobre os nossos produtos e serviços e crie sua conta 100% gratuita. E fique de olho no Canal PME para entender mais sobre todos os principais temas do mercado e conhecer em primeira mão as novidades da MarketUP!

Redação MarketUP

Autor:

MarketUP

Essas são as informações do autor que postou esse conteúdo muito interessante.