Últimas postagens

Ver todos

Capital de giro: o que é, por que ele é importante e como administrá-lo

Você que possui e administra o seu próprio negócio, ou que pensa em investir em um novo empreendimento, provavelmente já ouviu falar em capital de giro. Em termos simples, o capital de giro nada mais é do que o dinheiro necessário para manter a sua empresa funcionando e garantir que ela siga operando no futuro. O seu cálculo leva em consideração valores como o dinheiro que seu negócio tem em caixa e em suas contas bancárias, suas contas a receber, entre outros. 

É a partir do capital de giro que você, gestor, determina os recursos financeiros disponíveis para que a empresa cumpra seus deveres e faça novos investimentos mesmo em cenários menos positivos. Ele garante, em última instância, a saúde financeira do seu negócio. Mas como descobrir qual é o valor do seu capital de giro?

O modo mais simples de calculá-lo para um determinado período de tempo — por mês, por exemplo — é primeiramente somar todas as contas que tem a receber com o valor que possui em estoque (em caixa, no banco, etc) nesse intervalo de tempo. Em seguida, subtrai-se desse montante as contas a pagar e os valores que sua empresa deve pagar em impostos e despesas no geral. Ao final, você tem seu capital de giro.

Ainda tem dúvidas sobre o assunto? Confira cinco dicas do Sebrae para controlar o seu capital de giro e garantir a segurança e a saúde financeiras do seu negócio:

Identifique e reduza gastos

Um bom ponto de partida é avaliar os seus custos periódicos — mensais, trimestrais ou semestrais, a depender de como é feito o controle financeiro do seu negócio. A partir desse pente fino, é possível descobrir quais desses gastos podem ser diminuídos, ou até mesmo cortados. Reduzir o volume de dinheiro que sai do seu caixa é uma ótima forma de garantir a preservação da sua saúde financeira. Lembre-se de ficar sempre atento ao fluxo de caixa e manter as finanças em dia, pois empresas muitas vezes fecham as portas pela má administração do capital de giro.

Tenha disciplina

Outro importante hábito a ser cultivado é não utilizar o seu capital de giro para cobrir despesas ou dívidas, principalmente se deixar de repor a mesma quantia quando entrar dinheiro em caixa. Usar esse artifício pode ser o início de uma espiral que levará ao comprometimento financeiro da sua empresa. Seja “chato” com o seu controle de entradas e saídas, reduzindo possíveis riscos no futuro.

Saiba negociar com fornecedores e clientes

A negociação com parceiros e compradores também é uma forma de controlar melhor o seu capital de giro. Converse com seus fornecedores e procure formas de pagamento que sejam mais confortáveis para você e sua empresa, seja com o aumento de prazo ou com desconto à vista, por exemplo. Já em relação a seus clientes, tente sempre que possível reduzir os prazos de financiamento. Essa nem sempre é uma opção viável, principalmente porque seus concorrentes podem oferecer condições de pagamento melhores que a sua — mas vale a avaliação e a tentativa, não é mesmo?

Antecipe pagamentos a receber

O adiantamento dos valores que seu negócio tem a receber também pode ser uma opção para ter mais dinheiro em caixa. Para isso, basta procurar seu banco ou instituição financeira e receber deles os pagamentos que cairiam na conta da sua empresa somente no futuro. Esse recurso, contudo, deve ser usado com bastante cautela. Fique atento às taxas de juros cobradas por esse serviço e veja se realmente vale a pena para o seu negócio ou se é faz mais sentido aguardar para receber esses valores.

Faça um empréstimo

Por fim, caso a sua empresa precise pagar dívidas e não tenha dinheiro em caixa, um financiamento ou empréstimo pode ser uma alternativa. Aqui, o planejamento é essencial: não procure esse serviço se seu negócio não possui garantias futuras para quitá-lo. Também é importante pesquisar os menores juros do mercado e não fazer dessa alternativa um hábito. E, para o futuro, corrija os procedimentos de compra e venda para conseguir ficar no azul com seu capital de giro sem precisar recorrer a meios como esse.

Gostou do conteúdo? Fique de olho no Canal PME para entender mais sobre todos os principais temas do mercado e conhecer em primeira mão as novidades da MarketUP! Aproveite também para acessar o nosso site, conhecer mais sobre os nossos produtos e serviços e criar sua conta 100% gratuita.

Redação MarketUP

A importância do planejamento financeiro de curto prazo

Ter um bom planejamento financeiro de curto prazo é de extrema importância para a PME, o primeiro passo é definir o orçamento

 

Planejamento é um tema recorrente na pauta dos empreendedores, independentemente do tamanho da empresa, segmento de atuação e momento do ciclo de vida. Nas grandes empresas esse conceito já é amplamente difundido e o processo de planejamento e suas revisões é parte da rotina e do calendário anual.

 

Os grandes negócios normalmente trabalham com três processos de planejamento integrados em maior ou menor grau: planejamento financeiro (budget ou orçamento), planejamento de marketing (plano de marketing) e planejamento estratégico (ou revisão ou refresh da estratégia).

 

Para difundir a importância do planejamento entre as pequenas e médias empresas, destaco a importância do planejamento financeiro de curto prazo que, normalmente, recebe significativo destaque uma vez que é nesse processo que será definido o montante de investimento futuro, objetivo de vendas, necessidades de capital, dentre outros.

 

Fundamentalmente, essas metas de investimento terão peso significativo para definir a parte variável da remuneração dos executivos. Irão também nortear as ações diárias nas mais diversas áreas da empresa, uma vez que além da criatividade, a inovação e a conquista de novos mercados dependem dos recursos financeiros que estão disponíveis.

 

Planejamento como o modelo de negócio que é uma PME

 

Porém, o modelo de gestão de pequenas e médias empresas é diferente das grandes por uma razão óbvia: disponibilidade de recursos. Para os gestores de menor porte a pergunta mais básica é: o que eu ganho ao implementar um processo de planejamento financeiro na minha PME? A resposta é que o planejamento financeiro é tão importante que pode significar a diferença entre sobrevivência e morte empresarial.

 

A maioria dos administradores das pequenas empresas já deve ter enfrentado situações em que teve que atuar como bombeiro e correr atrás de fôlego para o capital de giro. O problema é que esse fogo pode se alastrar e alguns incidentes podem levar à quebra de uma empresa, atraso de recebimento de algum cliente importante, necessidade de compra de matéria-prima, conserto de equipamento, despesa trabalhista inesperada, etc.

 

Trabalhe em cima do capital de giro

 

Você provavelmente já captou a mensagem: implementar um fluxo de caixa futuro diário e dinâmico para curtíssimo prazo é prioridade zero. O capital de giro é o ABC do planejamento financeiro e a atualização diária desse caixa deve ser parte da rotina do departamento financeiro.

 

A importância do fluxo de caixa futuro é clara: você poderá gerenciar entradas e saídas de forma proativa e preparar uma reserva de capital. Dessa forma terá uma boa noção de onde estarão seus “furos de orçamento”.

 

Aliás, gerenciar a reserva de caixa de acordo com o fluxo futuro de recebimentos e pagamentos é fundamental em empresas familiares, onde os sócios confundem a conta da empresa com a conta pessoal e acabam por retirar lucros em momentos inadequados.

 

Quando o negócio tem mais de um dono a importância se torna ainda maior. Regras claras devem ser criadas para retirada de lucro e definição de pró-labore – ou o dinheiro que deveria ser utilizado pagar um fornecedor, acaba virando a viagem da filha de um dos sócios para a Europa. Nada contra viajar, mas tudo tem hora certa. Planejar serve para isso.

 

Por: Diego Simioni (Diego Simioni é administrador de empresas e sócio fundador da GOAKIRA)

 

Gestão Financeira para pequenos negócios: tudo o que você precisa saber

A gestão financeira é uma parte essencial de todas as empresas. No entanto, ela se faz ainda mais necessária nos pequenos negócios para que estes possam se desenvolver e crescer. Por isso, todo empreendedor precisa ter conhecimentos de finanças para acompanhar e monitorar as finanças da sua empresa. 

Gestão Financeira: o que é e o que você precisa saber

Os pequenos negócios precisam estar sempre atentos ao seus desempenhos financeiros. Afinal, é isto que vai indicar se a empresa está com um crescimento saudável ou se precisa de estratégias melhores para se desenvolver ao longo do tempo. Sendo uma das diversas tarefas que fazem parte do escopo da gestão financeira, o monitoramento dos indicativos e estatísticas é fundamental para acompanhar o progresso do seu empreendimento. 

Além disso, é a gestão financeira o setor dedicado a realizar pagamentos, fazer o controle de entradas e saídas, planejamento financeiro, controlar o orçamento da empresa como um todo, o capital de giro e fluxo de caixa, entre tantas outras responsabilidades. No caso dos pequenos negócios é comum que seja o empreendedor que faça tudo isso. Dessa forma, se faz ainda mais necessário ter conhecimentos de finanças para saber como gerenciar a empresa e guiá-la no sentido correto para seu crescimento. 

Os recursos financeiros devem ser bem administrados para que acompanhem as necessidades do estabelecimento, como pagamento das despesas iniciais, assim como investimento em material e outros recursos. 

É importante realizar o controle e acompanhamento das finanças do seu negócio para que não ocorram erros ou imprevistos, como não registrar as entradas e saídas detalhadamente, misturar as finanças pessoais com as da empresa, gerar mais gastos do que receita, além de outras atitudes incorretas para os empreendimentos que estão começando.

Outra prática importante a ser feita pelo gestor é o controle de quais são as despesas fixas e quais são as variáveis. Com esta informação, há como realizar um planejamento financeiro mais eficiente e de acordo com os objetivos definidos. 

Fluxo de Caixa e Capital de Giro: dois termos que você precisa saber do que se trata

Quando nos referimos ao gerenciamento da vida financeira de uma empresa, dois termos podem aparecer com frequência: fluxo de caixa e capital de giro. Você sabe do que se trata?

  • Fluxo de Caixa: é o registro das movimentações da empresa. Ou seja, entrada e saída de recursos financeiro. Este acompanhamento precisa ser feito para poder saber qual é o status das finanças da sua empresa: se está positivo ou negativo.
  • Capital de Giro: é, resumidamente, a reserva do seu negócio. Com este recurso, será possível realizar pagamentos de despesas e de funcionários, assim como cobrir os danos de imprevistos, se for o caso em algum momento. 

Lidar com as finanças da sua empresa pode parecer complicado para quem está começando. Mas você sabia que fazer uma gestão financeira eficiente pode ser menos burocrático do que você imagina? Para isso, utilize o MarketUP, uma plataforma de gestão online e gratuita.  

Abra já sua conta em 1 minuto. Facilite sua gestão financeira com um software de gestão totalmente digital e que permite acesso onde você estiver.

Capital de giro: o que é e como fazer uma gestão eficiente

A gestão financeira tem tudo a ver com a saúde da sua empresa. Afinal, é com este gerenciamento que você pode ter uma visão aprofundada de qual é a situação do caixa do seu negócio. Um dos principais elementos que você deve acompanhar é o capital de giro. Saiba mais sobre o assunto a seguir.

Capital de Giro: recurso mais do que necessário para sua empresa

Você sabe o que é capital de giro? Resumidamente, é o dinheiro disponível para cobrir despesas da sua empresa. Com ele, mesmo com imprevistos e sazonalidade nas vendas, será possível manter a empresa funcionando.

Imagine a seguinte situação: você faz uma venda em abril, mas só receberá o pagamento em junho. O capital de giro será o recurso financeiro para o qual você vai recorrer a fim de ter dinheiro para fazer o pagamento de fornecedores, funcionários e outras despesas.

O capital de giro líquido (CGL) é calculado com base na diferença entre o dinheiro que você irá receber e os gastos com pagamentos de despesas. Ou seja, o capital de giro é uma espécie de reserva que sua empresa terá caso precise. 

Dessa forma, a importância do capital de giro é alta, visto que quanto maior este recurso, melhor será a saúde financeira do seu negócio. Além disso, é uma maneira de estar prevenido de problemas, queda das vendas, falta de pagamentos, entre outras situações que envolvem as suas finanças.

Outra importância deste recurso está relacionada com o fato de que instituições financeiras fornecedoras de créditos avaliam o capital de giro da empresa ao decidirem conceder o empréstimo ou financiamento. O capital de giro alto será um indicativo de que seu negócio está preparado e que há uma boa gestão financeira.

3 dicas de como você pode fazer uma gestão eficiente de capital de giro

Agora que você já sabe o que é capital de giro e qual sua importância, é essencial saber como fazer uma gestão eficiente deste recurso. Selecionamos três dicas para você colocar em prática, confira:

1. Entenda as movimentações financeiras do seu negócio

Saber quais são os fluxos e movimentações de dinheiro no dia a dia da sua empresa é algo importante para entender como está a sua saúde financeira. Para isso, saiba o que entrará no fluxo de caixa, o que será pago e outras movimentações.

2. Faça um planejamento financeiro

O planejamento financeiro é utilizado para registrar as movimentações e para que você, gestor, possa se organizar para garantir que não entre no vermelho com sua empresa. Dessa forma, faça um planejamento financeiro o mais detalhado possível com toda a relação de pagamentos a receber, gastos e despesas, e mantenha-o sempre atualizado.

3. Utilize o MarketUP

O nosso Sistema de Gestão de Vendas Gratuito vai te auxiliar a controlar e acompanhar o seu capital de giro com mais facilidade. Você vai ter tudo o que precisa para cuidar das finanças do seu negócio no dia a dia, como relatórios detalhados, fluxo de caixa, entre outros recursos essenciais para ter uma gestão financeira completa

Crie sua conta 100% grátis em menos de 1 minuto!

Como controlar o capital de giro nesta crise

Com a chegada do novo coronavírus, muitas empresas começaram a ter prejuízos financeiros. Além destes problemas, algumas até já decretaram falência e fecharam as portas.

Planejamento financeiro e o capital de giro são recursos que as empresas precisam para sobreviver a momentos de instabilidades financeiras como esse que estamos passando.

Todo mundo ao abrir uma empresa já ouviu falar de capital de giro, certo? Errado!

Apesar de ser uma das regras básicas ao abrir um negócio, muitos empreendedores negligenciam este processo. 

Quando não se dá a devida atenção ao capital de giro, muitas empresas podem fechar as portas mais cedo. O que temos visto acontecer com muitas neste momento de pandemia. 

Por isso, preservar o capital de giro, principalmente para as micro e pequenas empresas é essencial para que elas consigam sobreviver a períodos de crises.

Mas, afinal o que é capital de giro?

O que é capital de giro?

Capital de giro é aquele recurso que a empresa conta para literalmente fazer a empresa girar. Por mais que pareça redundante, trata-se dos valores que a companhia possui para realizar a manutenção das atividades. Ou seja, o dinheiro para manter as despesas operacionais em dia.

O capital de giro é uma reserva que todo empreendedor precisa ter para suprir as necessidades financeiras da empresa.

Investir nesse recurso garante um fluxo de caixa positivo e o funcionamento sustentável da empresa.

Quando não se faz uma gestão eficiente do financeiro da companhia, muitos empreendedores acabam apelando aos bancos para cobrir as dívidas do negócio. Seja por meio de acesso a crédito ou financiamentos.

Porém, essa estratégia quando não planejada da maneira correta, pode trazer ainda mais problemas financeiros para empresa.

Se as finanças não estiverem em dia, seus investimentos em médio e longo prazo ficarão prejudicados. E com isso, a companhia pode decretar falência.

Mas, como fazer o capital de giro?

O capital de giro é a diferença  entre o ativo circulante da empresa, que são os recursos disponíveis em caixa, em aplicações financeiras e bancos e a receber dos clientes em curto prazo; e o passivo circulante, que é a soma das despesas e contas a pagar.

Ao analisar esses recursos, se os ativos forem maiores que os passivos, isso significa que há capital de giro suficiente para a empresa financiar sua operação. Porém, se os passivos forem maiores que os ativos, é um sinal de alerta que mostra que o estabelecimento precisa de uma fonte para suprir este problema.

Para que isso não aconteça com o seu negócio, separamos algumas dicas. CONFIRA!

Como controlar o capital de giro na crise? 

CONTROLE FINANCEIRO

Primeiramente, fique atento ao seu planejamento financeiro.

É importante ter um controle rigoroso do seu fluxo de caixa para entender suas despesas nos próximos meses. 

Por isso, conte com um sistema de gestão para te ajudar neste processo e evitar erros em seu controle de caixa.

A INADIMPLÊNCIA

Com a pandemia da Covid -19, não é só as empresas que possuem problemas financeiros, mas a população também.

Além da diminuição das vendas, a crise pode trazer clientes inadimplentes. Portanto, faça uma projeção desta inadimplência e veja quanto capital de giro será necessário para cobrir esses valores de vendas.

REVEJA SEUS CUSTOS

Neste momento de crise, o empreendedor precisa avaliar com muita cautela as despesas da empresa. E, claro, reduzir as que conseguir. 

Muitos consumidores estão reduzindo as compras. Logo, você não precisa investir em aumentar o faturamento, produtos em estoque etc. Pois, essa estratégia pode acarretar em produtos parados.

Ao reduzir o faturamento, é necessário reduzir as despesas também.

Portanto, algumas alternativas como: negociar valores com parceiros e fornecedores e renegociar dívidas pode ser uma solução.

ativos forem maiores que os passivos, isso significa que há capital de giro suficiente para a empresa financiar sua operação. Porém, se os passivos forem maiores que os ativos, é um sinal de alerta que mostra que o estabelecimento precisa de uma fonte para suprir este problema.

Para que isso não aconteça com o seu negócio, separamos algumas dicas. CONFIRA!

 

POR: TAINÁ ALMEIDA

 

Como aumentar o capital de giro e manter seu negócio ágil

O capital de giro é a espinha dorsal de qualquer negócio, portanto, aprender como gerar mais dinheiro é vital para o sucesso

 

Capital de giro é basicamente o dinheiro que você precisa para operar ou seus ativos atuais menos suas obrigações atuais. Sem capital de giro suficiente, você pode perder sua flexibilidade e credibilidade junto a instituições financeiras, fornecedores e clientes.

 

O esgotamento do seu capital de giro também pode diminuir sua capacidade de explorar novas oportunidades de negócios.  Se sua concorrência fechar de repente e precisar de mais estoque para atender seus clientes, você precisará de capital de giro para comprar esse estoque adicional. Sem isso, você não conseguirá reagir rapidamente.

Manter capital de giro suficiente disponível pode ser um grande desafio para os empreendedores sem dinheiro, então lembre-se do básico. Garantir que sua empresa seja paga pelos bens e serviços que ela oferece ainda é a maneira mais elementar de aumentar o capital de giro.

Abaixo, seis dicas sobre como aumentar o capital de giro de sua empresa e deixá-la ágil:

1. Não espere até o final do mês

 

Coletar pagamentos de clientes mais rapidamente é um caminho óbvio para manter mais capital de giro em sua empresa. Ainda assim,  é importante não colocar o seu relacionamento com os clientes em risco.

Você precisa manter seus clientes felizes e atrair vendas, mas, ao mesmo tempo, garantir que você não está pagando a conta do cliente por muito tempo. Para ajudar a proteger-se de pagamentos atrasados, recomendamos que se faça o faturamento o mais rápido possível.

Você não precisa esperar até o final do mês. Essa é uma falácia comum. Você precisa gerar uma fatura assim que os produtos ou serviços forem entregues.

2. Não financie ativos fixos com capital de giro

 

Muitas pequenas empresas tendem a usar dinheiro para pagar suas dívidas. É uma mentalidade antiga. No final, seria melhor usar empréstimos de longo prazo para pagar por ativos fixos.

Quando os empresários usam todo o seu dinheiro, eles também parecem mais arriscados para as instituições financeiras. Você pode perder a confiança de que está administrando uma empresa saudável.

Como alternativa, um empréstimo de longo prazo permite que os empresários respirem com facilidade e paguem por ativos em um ritmo definido.Você pode facilmente recuperar os custos de juros de um empréstimo de longo prazo.

Por exemplo, se você mantiver um bom fluxo de caixa e puder pagar seus fornecedores rapidamente, é mais provável que você consiga obter descontos. Por sua vez, esses descontos podem pagar parcialmente os juros do seu empréstimo. Eventualmente, você recuperará o custo do empréstimo.

3. Pedir emprestado para aumentar seu capital de giro

 

O Ministério Público afirma que assumir dívidas de longo prazo para o capital de giro também compensa. Você não pode expandir seus negócios e aumentar seus lucros se não estiver investindo em sua empresa.

Por exemplo, se você tem uma lista de clientes, só é possível convertê-los em contas a receber reais, se puder arcar com o estoque para vendê-las. É um know-how básico de negócios.

4. Refinanciar seus ativos fixos

 

Os empreendedores também podem considerar o refinanciamento de ativos fixos, como equipamentos, para gerar capital de giro. Basicamente, você está alavancando seus ativos e transformando-os no dinheiro que você precisa.

Os proprietários de empresas podem se beneficiar do capital de giro extra para melhorar o layout de suas fábricas, buscar novos mercados de exportação ou alinhar suas estratégias de RH.

5. Faça um investimento pessoal

 

Outra opção para os empresários é fazer investimentos pessoais para aumentar o capital de giro. Primeiro você precisa fazer uma análise de custo / benefício para ver o retorno que receberá em seu investimento. 

Esta é uma estratégia viável, se você ver que o pagamento em seu negócio supera as perdas pessoais.

6. Obtenha aconselhamento externo

 

Nem sempre é fácil para os empresários ver como eles podem melhorar seu fluxo de caixa, então recomendamos que os proprietários de empresas procurem ajuda externa. Um consultor normalmente ajuda os empreendedores a fazer uma avaliação completa e a examinar as principais áreas, como o ciclo de vendas, a rotatividade de estoques e as condições de crédito para fornecedores e clientes.

Eles também podem encontrar áreas do negócio onde há espaço para melhorar e encontrar formas de gerar mais dinheiro internamente.

Fonte: Business Development Bank of Canada