Últimas postagens

Ver todos

Franquia: passo a passo para abrir a sua (parte 2)

Se você fez todas as projeções necessárias e conversou com franqueados, é hora de levar em consideração os gastos menores da franquia

Depois de escolher o local e o ponto de sua franquia (explicado na “parte 1”), começa o processo de montagem da loja. É importante levar em consideração as despesas com o arquiteto, pedreiro, materiais de construção, móveis e equipamentos para a operação, como computadores e televisão – sem contar softwares de gestão financeira e empresarial, como a própria MarketUP.

Compra mínima para operação

Quando a própria franqueadora fornece produtos, na maioria das vezes, ela exige um valor mínimo de compra para a operação da loja. Se você chegou até aqui, pode pensar que serão muitos gastos, mas reflita o seguinte: você está investindo em um modelo de negócios consistente, que renderá um bom lucro e reconhecimento se o modelo for seguido.

Existem também modelos de crédito específicos para o segmento: certos bancos oferecem condições especiais para facilitar a compra ou a ampliação de uma franquia.

Investimento inicial

No momento em que começam as atividades, na planilha de despesas deve estar constando o pagamento os royalities – podendo ser um valor fixo, um percentual do faturamento ou insumos que serão comprados. Há de se levar em conta ainda o fundo de propaganda e os gastos específicos de cada segmento.

Entre os investimentos iniciais, estão: a taxa de franquia, abertura de firma, aluguel, projeto arquitetônico, material de construção, equipamentos e móveis, compra de produtos, capital de giro e gastos com treinamento dos funcionários.

Realize uma projeção financeira

A projeção financeira trata-se de uma estimativa do potencial de faturamento que a loja possui, contando os custos e despesas. Questione ao franqueador sobre a performance de suas franquias, sabendo quais lojas tem maior ou menor rentabilidade e o porquê.

Saiba ainda os motivos de cada situação, estas informações irão te direcionar durante o planejamento, porém, tenha em mente que o responsável pelo sucesso da loja é sempre o franqueado. Considere que, geralmente, as taxas de franquia variam entre R$ 20 mil e R$ 40 mil.

Tenha o apoio de um advogado

Antes do contrato ser firmado, certas redes avaliam a capacidade de seus candidatos a franqueados através de testes e análises do histórico profissional. Existe até a possibilidade de um test-drive, no qual o candidato tem a experiência real em uma unidade, para que ele tenha uma melhor ideia sobre do que se trata o seu futuro negócio.

Depois de abrir uma firma, se tudo correr bem, é a hora de fechar o contrato. Neste momento, é recomendada a ajuda de um advogado, para que detalhes não passem desapercebidos.

Selecione um bom ponto comercial

Apenas um bom produto não garante o sucesso do negócio. Sendo assim, faça uma boa análise da região que você quer estar presente, escolha os lugares onde você enxerga grande potencial e os visite a pé em dias e horários diferentes. Isso serve para entender o fluxo de pessoas da região e qual o perfil do futuro público.

Veja ainda se a área possui concentração de estabelecimentos comerciais, bancos e lotéricas. A presença desses comércios pode aumentar o movimento.

Conheça seu público e escolha entre rua ou shopping

Pesquise com o franqueador sobre os clientes da marca e seus desejos. Ao abrir uma loja de rua a visibilidade é maior, porém podem haver obstáculos. A maior vantagem seria o valor de aluguel mais baixo. Porém, existe uma menor segurança.

Nos shoppings, além da maior segurança e conforto, o público está mais disposto a consumir e existe estacionamento. As desvantagens estariam no valor do aluguel e a grande concorrência. Visite pontos da franquia de interesse e veja na prática como funciona.