Últimas postagens

Ver todos

5 dicas para fazer uma gestão financeira qualificada

Mesmo com a retomada das atividades econômicas, o controle financeiro mais rígido deve continuar para atravessar a crise

A pandemia do coronavírus exigiu dos donos de pequenos negócios a capacidade para se adaptar com rapidez às mudanças, diante de um cenário de muitas incertezas. Além disso, os empresários tiveram que realizar um controle financeiro mais rígido, principalmente com foco no capital de giro. Mesmo com a retomada das atividades econômicas, o Sebrae recomenda que os empresários não descuidem da gestão financeira e do planejamento dos negócios.

De acordo com o presidente do Sebrae, Carlos Melles, as micro e pequenas empresas (MPE) já começam a apresentar uma melhora no quadro geral, mas a gestão financeira deve continuar como prioridade. “Os momentos de crise e incertezas na economia exigem dos empreendedores um alto nível de controle sobre as finanças dos negócios. Mais do que nunca a gestão financeira deve ser vista como uma obrigação do empresário”, destacou.

Para que o empreendedor aprimore suas finanças em tempos de crise é preciso entender a necessidade de planejamento e organização com a gestão financeira. Entre os erros mais comuns cometidos pelos empresários e que podem ser facilmente evitados estão:

* misturar o patrimônio individual e empresarial;

* falta de planejamento financeiro;

* fazer dívidas sem a previsão de receitas.

Pensando em ajudar os donos de pequenos negócios, a Agência Sebrae de Notícias (ASN) identificou cinco passos de uma gestão financeira qualificada para atravessar a crise:

1. Planeje

Faça um levantamento de todas as despesas previstas nos próximos três meses. Projete também as receitas considerando o que você tem a receber e a queda do faturamento. Isso vai ajudar no controle do que entra e sai no caixa do seu negócio. Para isso, organize em uma planilha separando os valores de acordo com o tipo de despesa (salário, aluguel, insumos, gastos com água, luz, internet, telefone, etc.).

2. Ajuste

Com os recursos financeiros organizados você passa a entender, de forma clara, o que precisa fazer para melhorar as suas finanças e superar as dificuldades. Ter conhecimento da composição do seu faturamento permite que você identifique onde estão as suas possibilidades de conter gastos em um momento de queda do faturamento e defina ações corretivas, priorizando as despesas com maior impacto nos negócios. Corte e suspenda todas as despesas que não são essenciais para o seu negócio. Evite fazer alguma despesa que não seja extremamente necessária para a continuidade da empresa.

3. Renegocie

Despesas com aluguel e fornecedores podem ser negociadas ainda mais em um momento como este. Entre em contato e tente renegociar prazos e taxas, ou até mesmo obter descontos temporários. Se tiver dívidas em uma instituição financeira, procure o gerente para aumentar o prazo de pagamento, adequando o valor pago por mês ao seu faturamento.

4. Busque alternativas de faturamento

O empreendedor também deve tomar providências para aumentar o faturamento, fazendo promoções para “desovar” o estoque. As vendas online já não são mais uma tendência e tornaram-se uma realidade para as empresas. Por isso, diversifique seus canais de vendas na internet, utilizando as redes sociais e comercializando seus produtos em marketplaces.

5. Atente-se ao fluxo de caixa

O fluxo de caixa é uma ferramenta básica que permite apurar e projetar o saldo disponível para que exista sempre capital de giro, para aplicação ou eventuais gastos. Realize a gestão do fluxo de caixa da empresa, considerando as receitas e despesas previstas para não correr o risco de não ter dinheiro para pagar seus compromissos.

Fonte: ASN – Agência Sebrae de Notícias

Finanças: como não extrapolar o orçamento da sua empresa

Saiba como não extrapolar o orçamento de sua empresa, tenha controle sobre as finanças

Gastar, em qualquer empresa, é um mal inevitável. O problema é quando começamos a gastar mais do que faturamos. Aí, sim, começam os problemas das finanças que nos fazem extrapolar nosso orçamento. Mas é possível evitá-los.

Controlar de forma ponderada e exata as finanças é fundamental para o sucesso de qualquer empresa. Como explicou Edison Kalaf, professor da Business School São Paulo (BSP) para artigo publicado na Exame, “o descontrole financeiro é um dos principais fatores de quebra das pequenas empresas”.

É claro que, antes de tudo, você tem que se preocupar em ter um faturamento razoável. Se não houver faturamento na empresa, você terá um problema muito maior do que uma simples displicência financeira, ou incompatibilidade de gastos. Depois que esta etapa for resolvida, no entanto, você deve estabelecer como meta duas prioridades fundamentais:

  1. Jamais misturar suas contas pessoais com as contas da empresa (se você precisar “pegar emprestado” de sua empresa, lembre-se de pagar depois).
  2. Ser meticulosamente consciencioso no controle do fluxo de caixa. Tenha certeza de que as despesas sejam sempre menores que o faturamento.

Evidentemente, existem outros passos a serem seguidos. Mas, antes de tudo, você deve começar pelo básico, estabelecido nas duas regras listadas acima. No entanto, por mais simples que pareçam, você verá que segui-las de forma categórica e disciplinada, ao menos em determinados meses, será um desafio constante.

Como fazer um controle de orçamento eficiente

Se necessário, utilize planilhas para registrar tudo que a empresa ganha, e tudo o que ela gasta. O MarketUP é uma ótima ferramenta virtual para essa tarefa, que dispensa o uso das planilhas. Outra questão fundamental é calcular quanto você paga por mês de impostos e tributações, além de despesas com contabilidade, entre outros custos fixos.

Outro ponto interessante é calcular o quanto você precisa faturar todo mês para vencer as despesas, e fazer sobrar algum dinheiro (normalmente o dobro, mas nem sempre é viável).

Abaixo, vai uma descrição do controle de orçamentos baseada no Fluxo de Caixa:

Imagem

Com o tempo, gerenciar as finanças da empresa se tornará uma tarefa mais simples e corriqueira, que tem na prática todos os seus segredos. E nunca pare de reduzir gastos, aonde for possível reduzi-los.

Quando o fluxo de caixa é controlado de forma sistemática, com todos os rigores da matemática financeira, e as despesas são equilibradas com um faturamento maior – mesmo que seja apenas por uma pequena margem – você atingirá uma etapa onde equilibrar as contas se tornará um pouco mais fácil.

Não obstante, o malabarismo exigido nem sempre será uma equação simples de seguir. Alguns meses serão mais fáceis que outros. No entanto, é com a prática da experiência que você irá se aprimorando.

Fonte: Jornal do Empreendedor

Empresa brasileira oferece R$500 milhões para financiar projetos

Mecanismo lançou uma nova linha de crédito que dá apoio às empresas que investirem em projetos de pesquisa e desenvolvimento

O novo procedimento da Finep – Empresa pública brasileira de fomento à ciência, tecnologia e inovação, prevê taxas de juros menores e prazos de carência mais longos. O dinheiro estará disponível para aquelas empresas que se enquadrarem nos requisitos.

Ligada ao Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, a Finep financia tanto empresas quanto universidades. Os recursos disponíveis são derivados da própria instituição. Foi informado ainda que caso seja necessário o orçamento, de R$ 5 milhões, será ampliado.

O presidente da Finep, Marcos Cintra, disse durante o lançamento do projeto na sede da Federação das indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), que isso é um grande avanço para as empresas brasileira. “Na Coréia 80% dos pesquisadores estão nas empresas. No Brasil é o inverso, são só 20%. Os outros 80% estão nas universidades ou nos laboratórios públicos”. Cintra ainda destacou que a Finep está oferecendo recursos de longo prazo (16 anos, no máximo), barato e acessível às empresas para elas desenvolverem os seus projetos de inovação, desde que tragam o meio acadêmico para o desenvolvimento.

Ainda segundo o presidente, na maioria das vezes, as empresas não geram ideias inovadoras porque os pesquisadores não são contratados. Paralelamente, pesquisadores preferem mais suas teses e estudos e não trabalhar em projetos dos setores produtivos. “Esse programa faz com que a empresa diga ao pesquisador o que ela precisa e pague o pesquisador para desenvolver o produto”, comenta.

Muitas empresas não tinham conhecimento desta linha de crédito, até a divulgação do projeto que ocorreu no final de outubro. “Acredito que diversas áreas de negócios menores comecem a se interessar a partir da divulgação do programa”, afirma Cintra.

10 Dicas de Como Controlar as Finanças Pessoais

Controlar o dinheiro pode parecer fácil para muitas pessoas, mas, para a maioria, é algo bastante complexo. Segundo Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (Peic) de maio de 2014, o percentual de famílias endividadas aumentou e chegou a 62,3%. “A relação com dinheiro é sempre derivada da informação que possuímos sobre o valor das coisas, ou da percepção de importância de determinado objeto agora ou no futuro”, afirma Mac Amaral Cartaxo, coordenador do curso de Gestão Financeira do Centro Universitário do Distrito Federal (UDF).

Neste sentido, o professor separou algumas dicas sobre como controlar as finanças pessoais. Confira:

1. Conheça o tamanho do seu patrimônio e/ou das suas dívidas

Por incrível que pareça, tem gente que não tem clareza do tamanho do “buraco” em que se encontra. Você não pode controlar o que não conhece. Faça este levantamento periodicamente, pois com estes indicadores é possível perceber a evolução ou involução da sua condição. Observe com cuidado extrato bancário, do cartão ou mesmo do relatório do imposto de renda.

2. Reflita sobre as suas prioridades e interesses

Por vezes vamos a restaurantes, shoppings ou passeios caros buscando apenas estar junto com as pessoas que gostamos certamente esses encontros podem, na maior parte do tempo, ser realizados sem estes custos. O autoconhecimento nos leva a refletir que estamos investindo ou dispendendo dinheiro e tempo no que não nos produz efetiva satisfação.

3. Inventarie os gastos fixos ou variáveis

Verifique quais deles contribuem ou não para suas prioridades e não tenha medo de reduzi-los ou cortá-los. Faça este exercício com frequência.

4. Tenha informações oportunas sobre sua situação financeira

Atualmente é simples obter serviços que disponibilizam no celular os gastos com cartão de crédito ou saques e depósitos em sua conta bancária. Não dispensem estes importantes indicadores.

5. Pesquise antes de comprar

A internet tornou muito fácil comparar preços em tempo real, porque pagar mais caro se pode obter o mesmo produto por menos.

6. Aprenda mais sobre finanças e vantagens econômicas

É possível pagar menos imposto de maneira legal, reaver tributos pagos, conseguir vantagens no uso do seu cartão de crédito, isenções de tarifas bancárias, passagens aéreas gratuitas, simplesmente lendo ou perguntando um pouco mais.

7. Automatize ao máximo as suas finanças

Depois de ter clareza sobre a sua situação financeira, definido o que é importante para você e decidido o que vai fazer, torne estas informações em ações automáticas, como é o caso do débito em conta e das aplicações automáticas. Isto impede o pagamento desnecessário de multas e a perda de oportunidades em função do esquecimento.

8. Fixe metas

Juntar dinheiro, por juntar dinheiro não é algo prazeroso para nosso cérebro. Gostamos de imaginar o que vamos obter com este esforço de postergar o consumo hoje, em prol de algo no futuro, quer seja: uma viagem de férias, um carro novo, uma nova casa, ou mesmo uma situação confortável em nossa aposentadoria. Lembre-se a meta, para ser meta deve ser específica e possuir um prazo para seu atingimento, ser rico um dia não é significativo!

9. Informe às pessoas que estão a sua volta sobre suas metas

Somos seres gregários e o nosso sucesso no controle das finanças depende da participação de familiares e colaboradores. Combine as férias, mostre o carro novo que será comprado com aquela poupança e caracterize que a economia gerada com a diminuição no consumo de água, luz ou saídas ao shopping contribuirá para este objetivo.

10. Comemore o atingimento das metas

A percepção marcante do atingimento das metas tem um efeito de reforço na consolidação do seu mecanismo de controle das finanças. Vale a pena definir fases, etapas ou metas intermediárias de um objetivo maior, pois à medida que percebemos o alcance destes marcos em direção a meta final nos motivamos e intensificamos o controle, garantindo ainda mais o êxito futuro.

Fonte: Isabela Barbosa