Últimas postagens

Ver todos

9 impactos da falta de engajamento dos funcionários na sua empresa

Os benefícios de ter seus funcionários engajados são inúmeros, mas você já parou para pensar nos impactos negativos quando o engajamento é baixo? Por isso, descubra como identificar os colaboradores desmotivados e reduza os danos que eles podem causar a toda a corporação.

Impactos da falta de engajamento na sua empresa:

1.Alta rotatividade

Funcionários desmotivados tendem a sair da empresa com maior frequência. Isso impede que a cultura organizacional seja amplamente difundida, além de gerar custos operacionais para a área de Recursos Humanos. Uma das ações que ajuda a diminuir o turnover, é o investimento no encantamento do funcionário.

O salário é importante, porém não é o único fator que segura o colaborador na empresa. Existe uma série de outros benefícios como estabilidade, plano de carreira, cuidado com a saúde mental e outros que garantam estabilidade do colaborador.

2.Desligamentos geram custos

Às vezes, o funcionário sem engajamento só está esperando para ser demitido. Ele não acredita mais na empresa e acha que não pertence mais à organização. Entretanto, partir direto para o desligamento gera um custo alto para empresa, principalmente em companhias com alta rotatividade. Por isso, capriche nas estratégias para conquistar o colaborador e só parta para a demissão em último caso.

Lembre-se que uma boa cultura de feedback pode ser valiosa na hora de entender mais sobre o descontentamento do colaborador. O feedback também ajuda a analisar se as estratégias foram transmitidas ao restante da equipe e quais ações você pode tomar para garantir a plena satisfação dos funcionários.

3.O descontentamento é contagioso

Um funcionário sem motivação pode facilmente gerar o mesmo sentimento em colegas de trabalho. Se a sua empresa resolve optar pela demissão, isso também gera impacto nos outros colaboradores, que vão entender que a empresa não dá valor à sua mão de obra.

Por isso, logo após o desligamento, nunca se esqueça de chamar a equipe para uma conversa reservada e tranquilizadora. Explique de maneira transparente os motivos que levaram à demissão e deixe o canal aberto para ouvir críticas e sugestões sobre a maneira como a empresa deve conduzir em caso de insatisfação dos colaboradores.

4.Falta de entrosamento entre times

O colaborador desmotivado irá fazer apenas as suas próprias tarefas – isso quando não desiste de vez de suas funções e passa a gastar tempo no escritório ou em home office. Isso impacta na relação entre colegas de mesma função e entre times que possuem o mesmo objetivo.

Assim, a falta de engajamento pode afetar toda a cadeia produtiva da empresa. Vários setores trabalham em conjunto, e a partir do momento que uma engrenagem “trava”, o restante da máquina também pode acabar parando.

5.Criatividade zero

O funcionário engajado é capaz de trazer novas ideias ou novos olhares para antigos problemas. Além disso, ele é capaz de inspirar outros colegas a entregarem o seu melhor. Por isso, quando o engajamento está baixo, a criatividade também despenca.

6.Afeta os clientes

Não é apenas o público interno que pode ser afetado pela falta de engajamento de um ou mais funcionários: os clientes externos também podem sentir a falta de sinergia e procurar novos fornecedores. Isso, é claro, tem impacto direto na sua renda e na imagem que a sua empresa vai ter no mercado.

No comércio, por exemplo, o mau atendimento pode afetar as vendas. A American Express conduziu uma pesquisa nos Estados Unidos que mostrou que 60% das pessoas já desistiram de alguma compra por causa do atendimento recebido pelo vendedor. Por isso, independentemente do tamanho da sua empresa, o relacionamento com o cliente externo deve seguir rigorosos padrões de qualidade.

7.Excesso de atestado

Outro problema gerado pela falta de engajamento é o excesso de faltas de trabalho. O colaborador vai dar um jeitinho de conseguir atestados médicos frequentes ou simplesmente vai se ausentar do trabalho sem nenhuma justificativa. Assim, a produtividade pode cair bruscamente.

A lei brasileira prevê que o empregador pode contestar o atestado através de uma perícia com uma junta médica. Porém, isso gera mais custos e atritos entre gestores e colaboradores, certamente impactando no engajamento.

8.Erros constantes

O colaborador que não está engajado costuma executar suas tarefas de maneira mais distraída. Para a empresa, isso é um risco que pode custar caro: já imaginou um acidente de trabalho causado por distração e/ou falta de vontade?

Isso sem falar em erros na confecção de planilhas ou na escrita de um e-mail, que podem causar estragos incalculáveis.

9.Dificuldade de atrair novos talentos

Hoje em dia, existem diversos sites em que funcionários e ex-funcionários podem avaliar as empresas. Se a sua companhia não investe na conquista do colaborador, a chance de ele falar mal de você é grande. E a campanha boca a boca tem potencial para arruinar reputações. Isso pode atrapalhar na hora de escolher os melhores talentos do mercado para dentro da sua empresa.

Fonte: Sindilojas SP

6 Ferramentas Para o Planejamento Estratégico da sua Empresa

Os métodos mudam e as ferramentas mudam, mas o objetivo é sempre o mesmo: focar a energia e a atenção para que nossa ação nos leve na direção que desejamos, e não na direção a que as distrações nos conduzem. Essa é a função do planejamento estratégico.

O alcance das metas planejadas é apenas o final de um processo. Antes é preciso definir como medi-las, alocar recursos e traçar caminhos para transformar ideias em resultados, e finalmente chegar lá. Pensando nisto, reunimos 6 ferramentas gratuitas e fundamentais para colocar seu planejamento estratégico em prática:

1 – Missão, Visão e Valores

O trio Missão-Visão-Valores é um recurso poderoso para que empreendedores consigam planejar negócios diferenciados, atrair colaboradores engajados e se orgulhar de seu trabalho. Esta definição é o ponto de partida do planejamento dos novos negócios e deve ser constantemente validado ao longo da existência da empresa.

Indicada para organizações que queiram definir a direção estratégica da empresa: da integração das operações à estratégia da companhia e da motivação da equipe.

É útil porque permite que o empreendedor reflita sobre o papel do seu negócio na sociedade e sobre o futuro da empresa.

2 – Análise 360° de oportunidades de negócio

Sua cabeça está fervilhante de boas ideias e você não sabe ao certo como transformá-las em negócios lucrativos? A Ferramenta de Análise 360° pode ajudá-lo a verificar se sua ideia é viável ou não. Além disto, ela te faz refletir se o benefício oferecido é claro para o cliente, se o tamanho de mercado é adequado e se ela tem potencial de lucratividade e rentabilidade.

Indicado para empreendedores que queiram avaliar, dentre um pacote de ideias, qual delas representa a melhor oportunidade de negócio. É útil porque guia o empreendedor em suas reflexões pessoais e análises dos aspectos internos e externos de um negócio.

3 – Análise SWOT

É chegada a época de fazer o Planejamento Estratégico e você precisa elaborar um diagnóstico de sua empresa? Com a Ferramenta da Matriz SWOT você vai aprofundar o conhecimento a respeito da sua organização e ter uma análise do contexto externo em que seu negócio está inserido.

Indicada para organizações de todos os portes.

É útil porque proporciona uma análise dos pontos fortes (strenghts) e fracos (weaknesses), e as oportunidades (opportunities) e ameaças (threats) de um negócio. Em seguida, o empreendedor pode organizar um plano de ação para reduzir os riscos e aumentar as chances de sucesso da empresa.

4 – As 5 Forças de Porter

Você conhece bem os concorrentes do seu negócio? Sabe exatamente o que faz melhor do que eles e em que pontos eles se destacam? Com a Ferramenta 5 Forças de Porter você faz uma reflexão sobre a rivalidade entre seus concorrentes, produtos e serviços substitutos, poder de barganha dos fornecedores e clientes e como dificultar a entrada de novos players.

Indicada para organizações de todos os tamanhos, que queiram analisar o ambiente competitivo em que a organização está inserida e para determinar o melhor posicionamento do negócio diante dos concorrentes.

É útil porque o empreendedor passa a ter uma visão mais abrangente da concorrência e de como pode tirar proveito disso.

5 – Matriz BCG

Você sabe quais dos seus produtos ou serviços oferecidos são os mais rentáveis? A Matriz BCG serve para o empreendedor fazer uma análise periódica para melhorar sua oferta de produtos ou serviços existentes e avaliar os que geram mais caixa e exigem menos esforço para a manutenção.

Indicada para empresas estabelecidas que já tenham uma carteira de produtos ou serviços oferecidos
É útil porque é um método eficaz de se analisar o ciclo de vida de um produto, desempenhar a gestão de marcas, montar planos estratégicos, ou até mesmo uma estratégia de vendas.

6 – Definição de metas para pequenas e médias empresas

É fundamental definir metas antes de botar a mão na massa, para garantir que os esforços de crescimento estejam alinhados à estratégia da empresa. Estabelecer metas não significa implementar uma gestão estratégica com disciplina militar, mas requer firmeza para colher os frutos.

É indicado para empresas de médio e pequeno porte.

É útil porque a ferramenta torna mais claros os conceitos de objetivo, indicador e meta, que são complementares, mas diferentes. Traduz em linguagem simples a complexidade das ferramentas consagradas de gestão estratégica.

Por Sebrae

Natal 2020: confira 12 dicas para vender muito nesta data

O Natal é a data mais importante para o comércio. Mas em 2020, ano de pandemia, será diferente? O risco do contágio pelo coronavírus alterou o padrão e o comportamento dos clientes, abrindo um espaço ainda maior para as vendas online, multiplicando as opções de escolhas e facilitando comparações. Como fazer para sua empresa ser escolhida pelo consumidor? Mesmo faltando poucos dias para o Natal, há uma série de práticas que podem ser adotadas para impulsionar as vendas. Veja a seguir as recomendações da consultora do Sebrae-SP Taís Camargo.

DEFINA SEU PÚBLICO-ALVO

Saber para quem você vai vender contribui para a escolha dos produtos, organização da loja e divulgação direcionada.

MIX DE PRODUTOS IDEAL

Lembre-se de que os clientes já têm suas listas de preferências, mas se conseguem encontrar mais opções ficam sempre felizes. Estão em busca de oportunidades e de economizar tempo, então oferte os produtos que possam atender a lista deles.

AÇÕES PROMOCIONAIS

Pense no que você pode fazer para aproveitar o fluxo e as oportunidades que o Natal traz. Mostre que o consumidor pode, além de comprar presentes para os outros, se presentear.

PREPARE A EQUIPE

Considere a necessidade de atenção de seus clientes e os canais de atendimento. Preparar a equipe não significa só ter mais gente, mas ter pessoas preparadas para que o cliente tenha uma ótima experiência de compra.

ORGANIZE SEU PONTO DE VENDA

O Natal pede luzes, cores, alegria. Seus produtos podem chamar a atenção e trazer as pessoas para dentro de sua loja, presencialmente ou online. Pense que a criatividade faz toda a diferença, pois o tema é o mesmo para todas as lojas.

DIVULGAÇÃO

Essa é chave para o sucesso. Conte para seus clientes sobre novidades, ações promocionais, diferenciais (como prazo de troca estendido). Busque estar nos mesmos canais de comunicação dos seus clientes.

CUIDADOS COM PRODUTOS E CLIENTES

Diga ao seu consumidor quais os cuidados de higiene e prevenção você está tomando no ponto físico (limpeza, averiguação da temperatura de funcionários e clientes, higienização das peças e dos provadores, utilização de máscaras, álcool em gel etc).

DELIVERY

As entregas vão continuar sendo tendência. Funciona para produtos já comprados, mas também pode ser utilizada com as famosas “malinhas” para que os clientes possam escolher as mercadorias.

VENDAS ONLINE COM A OPÇÃO DE PACOTE PARA PRESENTE

Ofereça a opção de os produtos já virem embrulhados ou com as embalagens de presentes junto; faz toda a diferença (a dica de conteúdo para as redes sociais é ensinar a fazer o pacote).

FIDELIZAÇÃO E INDICAÇÃO

A experiência de compra está em alta. Quem é bem atendido, é ouvido e recebe atenção de maneira rápida, volta e indica. Prepare sua equipe para atender no ponto físico, mas não esqueça dos canais de comunicação que você criou durante a pandemia. Mensagens pelo celular e pelas redes sociais precisam ser respondidas de maneira rápida e com a mesma atenção do presencial.

NÃO DEIXE SEUS CANAIS DE VENDA ONLINE ABANDONADOS

Mesmo com o aumento do atendimento presencial, não esqueça que o consumidor que você ganhou durante a pandemia ainda está no ambiente online e precisa ser atendido.

BOXING DAY

Esse termo da língua inglesa é muito utilizado em alguns países para denominar o dia 26/12, quando as lojas fazem uma ação promocional para liquidar os estoques de Natal. A principal ideia é fazer uma ação para reduzir o estoque para o início de 2021.

Fonte: Sebrae 

Tenha uma gestão de estoque eficiente e evite Prejuízos na sua lanchonete

 

Você sabe quantos e quais produtos precisa comprar mensalmente para o seu negócio? Ao fazer uma gestão de estoque eficiente, é possível identificar o perfil de vendas da lanchonete, controlar melhor as despesas e evitar o desperdício.

Esse controle de estoque ainda contribui para evitar furtos dentro do estabelecimento e identificar quais produtos precisam receber uma “força extra” nas vendas, aplicando promoções inteligentes.

Quer saber como gerenciar melhor o seu estoque? É só ficar de olho nas dicas abaixo!

 

Dicas para melhorar a sua gestão de estoque

Uma grande vantagem de controlar bem o estoque é que você consegue identificar com mais certeza qual é a quantidade necessária de produtos para o mês. Isso evita que você fique sem determinados lanches para oferecer aos clientes (e sabemos como é difícil ficar sem um pão de queijo ou coxinha para vender, né?). Veja outras dicas valiosas para você aplicar no seu negócio ainda hoje:

 

Controlar a entrada e saída de produtos

Você acompanha tudo que o fornecedor entrega? Alguns donos de lanchonetes (gestores) estão tão atarefados que deixam uma etapa importante do processo de controle de estoque de lado: o acompanhamento da entrada e saída de mercadorias. Por isso, trouxemos este tópico para o artigo!

Não basta apenas incluir os itens de que precisa no pedido e deixar que o restante do processo ocorra naturalmente. Você deve acompanhar a entrega de mercadorias e registrar todos os produtos que chegaram ao estabelecimento.

Para isso, sugerimos a elaboração de uma planilha básica com informações como:

  • nome dos itens;
  • quantidade de cada mercadoria;
  • prazo de validade;
  • data de entrega;
  • valor de cada item.

Isso vai ajudá-lo a manter a organização de todos os produtos e controlar as despesas. Ah, não se esqueça de solicitar a nota fiscal para o fornecedor, pois isso também auxilia no controle do seu dinheiro e de mercadorias.

Depois de organizar a entrada de produtos, também é importante dar as baixas quando eles são entregues aos clientes. Isso é muito simples: você só precisa anotar cada produto que foi vendido na lanchonete e o valor dele. Essa é uma forma de garantir o controle de estoque e também evitar fraudes e furtos no seu estabelecimento sem que você perceba.

 

Manter a organização do estoque

Quem trabalha com itens perecíveis (que tem prazo de validade mais curto) precisa estar atento às datas de vencimento dos produtos. Caso contrário, pode ter perdas de mercadoria ou pior: vender um produto vencido, o qual pode colocar em risco a saúde do cliente. E não é isso que você deseja, correto?

Portanto, a melhor forma de evitar prejuízo (tanto de dinheiro quanto para a imagem do seu negócio) é manter a organização do seu estoque. Coloque os itens que vencem primeiro na frente e deixe os com maior validade para trás nas suas prateleiras ou no freezer.

Se achar necessário, posicione em destaque a data de vencimento das mercadorias para que você possa criar promoções a fim de estimular as vendas perto do prazo final de validade. Afinal, é melhor diminuir a margem de lucro do que perder tudo.

 

Reduzir desperdícios

Aqui vale aquela regra básica: o que vence primeiro deve ser vendido primeiro. Se você seguir a dica anterior (realizar uma boa organização de estoque), já ficará muito mais fácil de evitar esses desperdícios.

Isso porque você saberá exatamente quais itens têm validade menor e precisam ser oferecidos primeiro ao cliente.

Além disso, você pode criar um período para a contagem do seu estoque. Dependendo de como é a movimentação de pessoas, você pode estabelecer que o estoque será analisado uma vez por semana ou a cada três dias, por exemplo. Procure registrar quais mercadorias têm mais saída, pois isso servirá de indicador para o seu negócio para saber o que comprar mais, comprar menos e entender melhor a preferência das pessoas.

Os produtos mais vendidos precisam de reposição periódica. Já aqueles que saem pouco talvez precisem ser retirados da sua cartela de produtos ou receber promoções mais frequentes para gerar mais vendas. Fazer esse acompanhamento é essencial para reduzir os desperdícios na sua lanchonete.

Até porque a mercadoria costuma representar 33% do custo de uma lanchonete, padaria ou café. Logo, fazer a gestão desse estoque é fundamental para identificar as perdas e trabalhar esse problema no negócio que, muitas vezes, está relacionado a entender como armazenar melhor os produtos, comprar a quantidade correta e saber manipular os alimentos.

 

Identificar o melhor modelo de reposição de estoque

Outra característica para se atentar é a forma com que seus produtos serão reabastecidos. Há diferentes métodos de trabalho, sendo que os principais são: reposição contínua e reposição periódica.

reposição contínua se caracteriza pela solicitação frequente de pedidos para manter um estoque menor. A reposição periódica, por sua vez, consiste em fazer uma média da quantidade necessária de cada mercadoria e a determinação de um prazo para fazer os pedidos, a exemplo de um por mês.

Qual é o melhor? Tudo vai depender da sua capacidade de fazer uma gestão de estoque eficiente, do seu limite para armazenar produtos no estabelecimento, da movimentação de vendas da sua lanchonete e do seu capital de giro.

 

Ter previsibilidade da demanda

Se você cuida do gerenciamento de estoque e registra todas as vendas, após algum tempo consegue ter uma previsibilidade de demanda.

Como assim? Em uma lanchonete, por exemplo, o responsável por cuidar do estabelecimento consegue registrar quantos pães de queijo são vendidos por dia e depois analisar quantos foram comercializados ao longo do mês.

Logo, depois de alguns meses já será possível identificar uma média de vendas para esse produto e ter uma previsão de quantos itens precisa solicitar ao fornecedor. Isso facilita muito o controle de estoque, evita perdas e ajuda a ter sempre um dinheiro disponível para manter o negócio funcionando.

 

Investir em alimentos congelados

Uma forma prática de manter uma lanchonete funcionando é adquirir alimentos congelados para comercializar. Assim, você mantém apenas a quantidade necessária de mercadorias para venda, evita a contratação de um funcionário para produzir os lanches e tem sempre produtos prontos para aquecer e entregar ao cliente.

Logo, se acabar determinado produto na estufa, basta colocar uma nova remessa no forno e aquecer. Isso diminui suas despesas e ainda garante a entrega de lanches fresquinhos e de qualidade aos consumidores.

Outra vantagem de utilizar produtos congelados é a economia. Você não tem desperdício de itens porque vai preparar somente o que é necessário para o dia. Uma boa maneira de manter a qualidade na lanchonete e ainda poupar dinheiro, certo?

 

Utilizar a tecnologia a seu favor

Se você não tem tempo para fazer um registro de todas as entradas e saídas de produtos manualmente ou se não tem facilidade em utilizar planilhas de Excel, o ideal é utilizar um software de gestão para controlar as mercadorias.

Há diferentes plataformas disponíveis para pequenos negócios e com preços acessíveis e também um sistema gratuito da MarketUP, próprio para restaurantes e lanchonetes. Com ele, é possível organizar melhor o estoque, o número de pedidos e o dinheiro que passou pelo seu caixa durante o dia.

Já deu para perceber que a gestão de estoque está ligada à redução de custos, certo? Essa é a melhor forma de evitar o desperdício, conseguir negociar melhores preços e prazos com o fornecedor e ainda ter sempre a mercadoria em mãos para entregar ao cliente!

 

AUTOR: Faleiro

6 dicas para ter um e-commerce de sucesso durante a Black Friday 2020

Depois de um ano memorável para o e-commerce, as apostas para a Black Friday 2020, que ocorre no dia 27 de novembro, são grandes. Mesmo com boas perspectivas, o cenário também se tornou mais competitivo para os varejistas conseguirem se destacar, pois há ainda mais players no mercado.

Alfredo Soares, cofundador e mentor no Gestão 4.0, vice-presidente da VTEX, startup de varejo que se tornou unicórnio em 2020 e curador do curso G4 Digital Commerce, listou seis dicas que podem ajudar empreendedores a ampliar as vendas na Black Friday. Confira:

 

1 Público bem definido

O empreendedor precisa ter claro para quem quer vender, entendendo qual é a necessidade daquele público para criar a solução adequada. “Nem todo mundo é seu potencial consumidor. Por conta disso, o varejista precisa ter a persona da sua marca bem definida”, diz Soares.

2 Mix de produtos

Mais do que uma variedade infinita de produtos, o e-commerce deve ter os itens certos para o seu público. Para acertar, é preciso mapear os itens que mais vendem, assim como o ritmo pelo qual o restante de todo o portfólio é comercializado.

“Os produtos mais vendidos precisam estar sempre no estoque para a marca não perder vendas. Com essa finalidade, é fundamental contar com o auxílio de uma plataforma que integre a loja virtual com o estoque em tempo real para garantir que o varejista não comercialize algo que não pode entregar. Esse processo é ainda mais vital em datas como a Black Friday, quando a demanda é muito maior e, consequentemente, aumentam as chances de falha”, avalia o especialista.

 

 

3 Ofertas atrativas

Oferecer combos de vários produtos com desconto faz com que o varejista aumente o tíquete médio e a margem de lucro total nas operações de vendas. Essa estratégia contribui também para a empresa pagar mais facilmente todo o seu custo operacional. No entanto, é importante lembrar não somente na Black Friday, que oferta não se resume ao preço.

Compras com condições especiais para os seus clientes são opções interessantes para o lojista se diferenciar. As promoções ainda podem ser feitas com parceiros por meio de vouchers e créditos, por exemplo.

 

 

4 Controle financeiro

Vender muito sem ter controle financeiro pode trazer ainda mais problemas. O maior cuidado  que o varejista deve ter é garantir que o fluxo de caixa funcione da maneira correta. Isso significa entender quando o dinheiro das vendas deve entrar para a empresa, considerando as variáveis que envolvem o recebimento das diferentes formas de pagamento que a marca disponibiliza.

“Sem esse cuidado, o empreendedor pode ficar sem dinheiro em caixa para arcar com todo o seu custo operacional, que envolve principalmente parceiros e pessoas. A falta de um planejamento adequado pode aumentar as chances de o negócio quebrar ou precisar recorrer a empréstimos mesmo com uma ótima performance nas vendas”, alerta Soares.

 

 

5 Tráfego

Uma das etapas mais importantes é saber levar as pessoas para o e-commerce, assim como uma loja física precisa estar bem posicionada em um ponto comercial. A principal dica de Soares é investir em mídias pagas por meio de anúncios em redes sociais e buscadores.

Outra estratégia eficiente é apostar na parceria com influenciadores e marketplaces para ganhar visibilidade. Também é importante otimizar o e-commerce nos sites de busca de maneira orgânica, a partir de técnicas de SEO focadas em um trabalho eficiente de produção de conteúdo.

 

6  Logística

Uma venda só acaba de verdade quando o produto é entregue, processo que faz da logística uma das principais áreas do e-commerce. Ela permite que as lojas consigam atender pedidos, fazer a correta distribuição das mercadorias e a entrega dentro do prazo.

Muitas lojas virtuais iniciantes optam por fazer as entregas via Correios para garantir a distribuição em todo território nacional. Um dos principais problemas desse serviço é a demanda que os Correios recebem nesta data, fator que pode gerar atraso e, consequentemente, reclamações.

A opção pelas transportadoras pode proporcionar maior eficiência, mas deve ser avaliado se o volume de vendas do e-commerce é grande o suficiente para fazer esse tipo de contrato.

 

FONTE: Portal Revista PEGN

Preço e Produto: como estabelecer uma relação lucrativa

Preço e produto devem seguir uma estratégia que priorize o custo benefício do produto, sem abalar a lucratividade de sua empresa

 

Com dificuldades de definir o preço do seu produto? Fique atento nas dicas que separamos pra você. Esse processo pode ser mais fácil do que você imagina.

O Primeiro passo é definir o quanto custa produzir o seu produto, com base nessa definição chegou a hora de formar o preço de venda do seu produto.

Determinar o preço de venda do seu produto é uma estratégia muito importante para o sucesso da sua empresa.

Preço e produto devem seguir uma estratégia que priorize o custo benefício do produto, sem abalar a lucratividade de sua empresa

O risco de se cobrar o preço errado pode significar prejuízo ou grandes perdas para o seu negócio, portanto, vamos ficar atentos e utilizar a estratégia correta.

Preço de venda

Como estipular o preço de venda?

Estipular o preço de venda do seu produto é calcular quanto sua empresa cobrará do consumidor final.

Para isso é primordial conhecer todos os custos envolvidos na produção, e todas despesas para venda, além de determinar qual a margem de lucro que será gerado.

É importante lembrar que o preço final determina também o quanto competitiva será sua empresa frente ao seus concorrentes.

Para ilustrar e explicar melhor, abaixo demonstramos um modelo de estrutura de Formação do Preço de Venda de um produto ou serviço:

CUSTO (Valor pago aos fornecedores) + DESPESAS (Despesas de vendas e administração) + LUCRO = PREÇO DE VENDA

Onde,

Custos: Um custo é quanto a sua empresa gasta para produzir o que será oferecido aos clientes.

Despesas: Uma despesa é quanto a sua empresa gasta para vender um serviço ou produto e, assim, gerar receitas.

Lucro: É o retorno que a sua empresa terá ao vender um produto ou serviço. O lucro é o dinheiro que irá financiar o crescimento do negócio.

 

 

Definição do Produto

A definição de preço é uma estratégia que deve ser continuamente verificada, pois interfere diretamente na otimização do fluxo de seu negócio.

Ao definir o produto que vai ser ofertado ao consumidor final, observe a qualidade física, conceitual e estrutural.

Observados estes três pontos o cliente será conquistado na essência de sua necessidade, não somente pelo produto.

Para atender o consumidor o produto deve conter os seguintes componentes:

 

Benefício central: é a utilidade do produto real e específica do produto. O benefício central está diretamente relacionado à necessidade que o consumidor quer suprir.

 

Transformação do benefício central em produto básico: em outras palavras, as demais funções do produto, além da função central.

 

Produto esperado: significa as condições mínimas ou básicas e esperadas de um produto, por exemplo, que ele funcione adequadamente.

 

Produto ampliado: excede as expectativas do cliente. Este nível é geralmente aplicado no posicionamento da marca.

 

Sistema de consumo: é a maneira como o usuário desempenha as tarefas de obter, usar, adaptar e descartar o produto.

 

Neste processo de definição do produto, o empreendedor deve identificar:

  • Em que consiste o produto;
  • A quem se destina;
  • Para que serve;
  • Qual o desempenho.

O que pode influenciar o cliente a optar por este produto frente aos dos concorrentes e também definir o momento em que este é utilizado.

Todas estas informações vão permitir a identificação dos critérios a serem avaliados e desenvolvidos em relação aos produtos da empresa.

Esse trabalho é considerado difícil e minucioso, pois envolve muitos detalhes que visam um bem comum, a lucratividade.

Para determinar de forma precisa o preço de sua mercadoria, é necessário levar em consideração custo, valor e concorrência.

Para que sua remarcação de preço seja estratégica e não te traga prejuízo.

Quando falamos em preço, produto e remarcação, estamos falando também do cliente, que deve ser respeitado e se sentir bem atendido sempre.

Afinal a estratégia é visar o menor custo benefício ao consumidor final.

 

 

Guerra de Preços Baixos

Antes de cair no que se entende por “guerra de preços baixos”, faça o consumidor perceber que:

  • Seu atendimento e produto tem diferencial no mercado;
  • Agregue valor conceitual a sua marca;
  • Invista em capacitação de equipe.

Deixe claro:

  • Essas ferramentas lhe darão suporte nas vendas;
  • Seu valor no mercado;

Faça o cliente perceber que ao comprar seu produto ele não está gastando e sim investindo em uma marca, um conceito.

Induza a decisão de compra, criar conexões entre os consumidores são objetivos principais na hora da decisão de baixar os preços.

 

Antes de baixar seus preços, questione-se, sobre pontos importantes:

  •  Existe realmente a necessidade de baixar preços?
  •  O meu cliente está verdadeiramente insatisfeito com meu preço?
  •  Meu preço e produto estão bem no mercado?
  •  Minha equipe está capacitada para vender conceito?
  •  O concorrente está correto em baixar desordenadamente?

 

Gestão de Preços

Este ponto deve estudar com detalhes  itens que farão com que sua estratégia de preço consiga  alcançar  sucesso, são eles:

  •  Mercado
  • Concorrente
  • Perfil do consumidor da loja
  • Qualidade do atendimento
  • Vantagens do preço
  • Facilidade ao cliente
  • Comodidade ao cliente

 

Equipe de Vendas

Esta deve ser preparada para efetivação das vendas, veja agora algumas características de uma boa equipe:

  •  Atendimento de excelência
  • Focada nas vendas
  • Capacitada a explorar as missões da empresa
  • Atenta aos desejos dos clientes
  • Oferecer promoções especiais .
  • Considerar e respeitar a fidelização dos clientes

 

Com essas dicas ficará mais fácil compreender preço, produto e a resposta do consumidor.

Com isso as decisões sobre preço serão espontâneas e seguras. Não restando dúvidas para efetivar a remarcação com um preço justo para ambos os lados.

 

FONTE: Sebrae

5 Dicas para fidelizar o seu cliente

Lembra daquela frase “O cliente tem sempre razão”? Pois é, e ele tem. O cliente é a peça fundamental para definir o sucesso do seu negócio, por isso o atendimento deve ser pensado como mais um estratégica para a sua empresa. Entretanto, fidelizar um cliente não é apenas sinônimo de vendas, é criar valor para a marca, relacionamento, bem como engajamento. Apesar de parecer difícil, não é tanto assim, e para te ajudar nesta tarefa separamos 5 dicas para fidelizar o seu cliente.

Quando falamos em fidelização do cliente, nos referimos àqueles consumidores que realmente se tornam fiéis à marca, que compram continuamente, que indicam o produto ou serviço e que, muitas vezes, são até advogados da própria marca.

Ao transformar o seu cliente em um cliente fiel, com certeza é um benefício para a empresa e garantia de sucesso. Por isso, vamos falar nas dicas abaixo sobre como conquistar e fidelizar o seu cliente.

 

# 1 Ofereça um bom atendimento ao cliente

Esta dica é simples, mas muitos erros podem ser cometidos pensando que já está oferecendo um bom atendimento.

Além de atenção e preparação da sua equipe de vendas e atendimento, é preciso estar sempre atualizado às novidades do mercado. Isso é importante não só para não ficar atrás da concorrência, mas também para mostrar que é uma empresa inovadora e que está sempre atenta às mudanças e inovações. É claro, utilizando o bom senso para avaliar o que cabe adotar para o seu negócio ou não.

Somado a isso, investir em uma boa experiência do cliente é o que vai fazer com que ele volte e continue frequentando o seu estabelecimento ou utilizando os seus serviços. Seja ao oferecer um cafezinho, ter uma flexibilização na negociação ou disponibilizar um atendimento ágil com, são atitudes que podem fazer a diferença para a fidelização do seu cliente.

Neste sentido, a tecnologia pode colaborar para essa experiência positiva, uma vez que no mercado existem opções que podem fazer a diferença para o seu negócio. E até sistemas com PDV, frente de caixa, por exemplo, que podem otimizar ainda mais o atendimento.

 

# 2 Ouça o seu cliente

Com certeza, esta dica está muito atrelada à anterior. Ouvir o que o seu cliente tem a dizer sobre o negócio e o atendimento ou produto/ serviço oferecido é fundamental para fazer ajustes ou melhorias.

E isso é importante não apenas em canais como redes sociais, mas no dia a dia do atendimento. Já parou para pensar ou perguntar o que eles acham da sua marca?

É importante destacar, que o estabelecimento deste tipo de comunicação é muito importante para estreitar o relacionamento. No entanto, deve ser algo contínuo, porque se as clientes forem ignorados em algum de seus canais, isso pode gerar um problema.

 

# 3 Conheça o perfil do seu cliente

É importante que você conheça o perfil do seu cliente. Você sabe qual é o perfil que mais compra da sua empresa?

Se ainda não sabe, este é o momento de começar a entender o perfil, entendendo quem é o seu público-alvo. Assim, você será mais assertivo em sua estratégia de vendas.

Informações como idade, gênero, o que mais costumam comprar, e entre outros dados são essenciais para definir essa buyer persona, termo para definir o público-alvo.

Ao conhecer o perfil do seu cliente, você direciona os esforços para encontrar os perfis mais predispostos a comprar da sua marca.

 

# 4 Ações de relacionamento

Ações de relacionamento são fundamentais para fidelizar o cliente e são um ponto positivo para melhorar o atendimento, quando bem utilizadas.

Procure sempre treinar a sua equipe de atendimento para que ofereça o melhor atendimento desde o primeiro contato com o cliente e criar uma experiência única e agradável. Quem não gosta de um atendimento mais humano e personalizado? Com certeza dá aquela sensação de exclusividade, de atenção.

Neste sentido, investir em alternativas como programa de fidelidade pode ser uma boa opção, oferecendo descontos e vantagens exclusivas para os clientes.

Assim como, disponibilizar cupons e pacotes exclusivos, planos personalizados e até antecipar algum lançamento para os clientes que mantém uma certa frequência. Privilegiar esses clientes e colocá-los numa categoria “VIP” é uma forma de manter ainda mais a fidelidade. E quem não gosta?

 

# 5 Monitore

O monitoramento é algo que deve acontecer, sempre! E isso vai te ajudar a medir o seu atendimento, bem como o seu negócio.

Nesse contexto, as métricas são de grande valia. E você pode avaliar desde a eficácia dos treinamentos até se as ações estipuladas para aumentar o número de clientes ou fideliza-los estão dando certo e fazer as correções necessárias, caso preciso.

E você pode monitorar ações de e-mail marketing, redes sociais, número de clientes recorrentes, e entre outros, de acordo com a meta estabelecida.

 

Dicas para aumentar as vendas no Dia dos Pais

As mudanças no comportamento de consumo mudaram com a pandemia e quando se aproxima uma data comemorativa que movimenta o comércio como um todo isso fica mais evidente. E para o Dia dos Pais não seria diferente. Por isso, trouxemos algumas dicas para aumentar as vendas no Dia do Pais. É só conferir no decorrer do artigo.

A digitalização nas vendas também mostra que a data pode repercutir de forma positiva. Segundo levantamento realizado pela Ebit | Nielsen, em 2019, o faturamento do e-commerce no Dia dos Pais registrou um faturamento de R$ 2,5 bilhões.  Um crescimento de 20% em relação ao ano anterior e um valor que superou as vendas do Dia das Mães e do Dia dos Namorados.

Embora estamos vivendo um momento de reabertura das lojas físicas em algumas regiões, é importante se preocupar com questões que podem ajudar na hora de inovar nas vendas. Veja a seguir:

 

Como está a sua presença digital?

Com um crescimento expressivo no faturamento das lojas virtuais, principalmente depois da pandemia – de acordo, com o Compre&Confie, o faturamento foi de  R$ 9,4 bilhões em abril, aumento de 81% em relação ao mesmo período de 2019 – estar no meio digital nunca foi tão relevante. Ainda não tem uma loja virtual? Com a plataforma certa é fácil e grátis criar a sua loja virtual.

Por isso, além de um e-commerce, invista em suas redes sociais e em canais que podem servir como “vitrine” para divulgar os seus produtos e serviços, bem como canal de relacionamento com os clientes. Neste sentido, ferramentas como Instagram e WhatsApp podem ser uma boa alternativa.

 

Como inovar?

Para inovar você não precisa complicar ou gastar muito dinheiro. Ideias simples, na maioria das vezes, representam a tão sonhada inovação que o seu negócio precisa.

Para começar, nada melhor do que conhecer os seus clientes, para saber o que exatamente eles querem. Pesquisa ou enquete nessas horas pode ser uma boa opção. Sabendo o que o seu consumidor quer, por exemplo, dar de presente em uma data especial, é possível ter insights para montar um kit ou trazer o produto comentado. É claro, que tudo isso tem que fazer sentido com o seu negócio, com o que você já oferece.

Além disso, alternativas como benefícios exclusivos para consumidores fiéis ou produtos/ kits personalizados sempre são uma boa opção e que ajudam o seu estabelecimento a se destacar da concorrência.

 

Parceria vale a pena?

Vale muito a pena, sim. Principalmente neste momento. A parceria pode ser uma alternativa para os negócios. Para isso, deve-se procurar empresas com produtos ou serviços que agreguem valor ao que você oferece. 

Pense não apenas em um parceiro para agora, mas algo que possa perdurar para o futuro e ser vantajoso para os dois.

 

De olho no estoque!

Comece a preparação para a data antes e não na véspera. Por isso, atenção ao estoque. Redobre se for possível a checagem dos itens em armazenamento, para garantir os melhores produtos aos seus clientes e não gerar frustração.

Se você já encomendou, ok. Se ainda não, é hora de correr, mas com cautela, levando em consideração para não ficar com produtos encalhados, bem como aos prazos de entrega dos fornecedores.

Lembre-se também de preparar a sua equipe para o atendimento, para ajudar nas demandas que surgirem, especialmente, as de última hora.

 

Segurança em primeiro lugar!

Uma das grandes preocupações das pessoas neste momento é com a segurança de sua saúde. Então, pense nessa questão. Se está trabalhando com a loja física aberta, siga os protocolos de higiene, bem como informe os seus clientes sobre isso.

Se estiver com o serviço delivery faça o mesmo e siga as medidas necessárias para proteger seus colaboradores e consumidores.

Como o serviço de entrega tem se destacado bastante neste momento, se você não oferece e pensa em investir, a MarketUP pode te ajudar no gerenciamento. Veja como é simples e fácil, principalmente para quem possui cadastro na plataforma habilitar o recurso delivery.

 

Atenção no preço do produto!

É importante pensar, ainda mais neste momento, sobre o valor do seu produto. O preço deve cobrir os gastos, mas também levar em consideração a situação econômica do País e de muitos brasileiros que estão sendo afetados pela crise, seja pela diminuição da renda ou desemprego. Pesquise os concorrentes, analise os custos de produção e dos seu serviço e assim, calcule a sua margem de lucro.

 

Uma promoção sempre é bem-vinda

No atual cenário econômico, os consumidores estão interessados em promoções e condições melhores de preços. Por isso, é o momento ideal para pensar em algum tipo de desconto, seja para frete, pagamento à vista, entre outras opções, que ofereçam vantagens reais para o cliente.

 

Datas especiais pedem cartões e embalagens

Quando se fala em presente, tanto a embalagem quanto o cartão, fazem toda a diferença. E pensando nisso, a sua empresa também pode se diferenciar. Com as pessoas comprando bastante no online, não será possível fazer um embrulho ou uma dedicatória. E se quiserem fazer isso, terão que encomendar de outro local. E por que você não pode oferecer? Isso tanto na sua loja física quanto na virtual.

Pense em embalagens bonitas e simbólicas para a data, bem como em anexar um cartão ou até quem sabe permitir que se tenha um espaço para mensagens no site, caso o cliente não tenha tempo de entregar o presente.