Últimas postagens

Ver todos

Como abrir uma franquia? Veja o que é e como funciona

No mundo do empreendedorismo, existem diversos modelos de negócios e com certeza um deles cabe no que você está planejando. Abrir uma empresa totalmente do zero é desafiador, principalmente no início e na parte de construção da marca e fidelização. Para esses casos, existe o modelo de negócio de franquia, na qual é possível abrir uma loja de uma marca já consolidada do mercado, entenda mais sobre esse modelo e como abrir franquia.


Como abrir uma franquia?

Antes, é importante falar mais detalhadamente sobre a franquia. É um modelo de administração de negócios na qual a marca fornece o direito de utilização da marca para pessoas que querem abrir novas unidades dessa marca. Um exemplo prático de como funciona uma franquia é com uma rede de fast-food. É humanamente impossível uma pessoa cuidar de todas as unidades, então eles dão a “permissão” para que outro empresário possa administrar.


Nada disso é de graça. Para você conseguir abrir uma franquia, precisa pagar uma taxa de franqueado, que é  “licença” para poder usar o nome e toda a identidade visual da marca. Tanto os preços quanto os pré-requisitos variam muito, dependendo de qual segmento, o tamanho da franquia que você quer abrir e por aí vai.


O principal nesse caso, para que você que gostaria de abrir algo, é pesquisar qual nicho você quer entrar e, a partir daí, analisar quais franqueadoras oferecem os melhores benefícios.


Invista no marketing digital da sua empresa com os parceiros da MarketUP. Conheça agora mesmo.

Como funciona uma franquia?

 

O dia-a-dia de uma franquia se assemelha muito a de qualquer empreendedor (afinal, um franqueado não deixa de ser), mas existem algumas peculiaridades que são diferentes e que fazem total diferença.


Como a empresa não “nasceu do zero”, há uma série de regras e contratos, evidenciando o que se pode e não se pode fazer, afinal, toda marca tem uma reputação a zelar. Essas regras estão sempre no contrato, quando assinado, com a franqueada e devem ser claras, segundo a Lei nº 8.955/1994, conhecida como “lei das franquias”.


Essas regras variam muito de empresa para empresa, mas as mais comuns são a padronização dos produtos oferecidos e a identidade visual da marca.


Mas não significa — longe disso, aliás — que a gestão é engessada. A maioria das franqueadoras estão abertas a ouvirem de seus franqueados sugestões de melhorias, opiniões e até a liberdade de testar processos e produtos novos, mas óbvio, tudo tem que ter o consentimento e a aprovação, até para evitar ruídos e, em casos mais graves, a ruptura do contrato.


Os gastos também são um ponto importante a ser falado. Após o pagamento da taxa de franquia, que é pago no começo para poder usar o nome e logo da marca, existem também os pagamentos mensais que devem ser feitos: royalties, fundo de propaganda são os mais comuns. Como dito anteriormente, os valores, a recorrência e até eventuais taxas adicionais vão variar de acordo com a franquia escolhida.


Precisa de muito dinheiro para abrir uma franquia?

 

A resposta é não. Para falar a verdade, existem diversos modelos de franquias, inclusive, que não precisa nem de um lugar físico, podendo trabalhar em home-office apenas pelo computador.


Os valores ficam abertos e tudo é uma questão de qual segmento mais te interessa abrir uma franquia. E mesmo assim, dentro do próprio segmento, há diferenças de preços altas. Por exemplo, no segmento de alimentação, um quiosque de açaí custa bem menos que um restaurante.


Existem franquias que custam mil, dois mil reais e outras que conseguem ultrapassar a barreira do milhão. Como sempre, varia do modelo de negócio que você está disposto a investir e o quanto de investimento inicial você tem.


As principais vantagens de abrir uma franquia


Agora que você está por dentro de como funciona o ecossistema de uma franquia, chegou a hora de falar sobre as principais vantagens de se abrir uma loja nesse modelo de negócio.


1- Processos e modelos já testados


Para ser uma franquia, toda empresa precisa ter os processos testados e um modelo de negócio bem estabelecido, para que seja possível os franqueadores replicarem um modelo de negócio bem estruturado e padronizado. Isso torna o processo mais fácil, afinal, não será preciso quebrar a cabeça para pensar em métodos de trabalho.


2- Apoio ao franqueado


A grande maioria das franqueadoras possuem diversos tipos de auxílio para os franqueados (afinal, é a marca dela que está em jogo) e se tornam uma verdadeira mão amiga no começo dessa jornada.


Não é um padrão, mas muitas ajudam nos processos, desde encontrar um local para o ponto, contratação e capacitação dos funcionários, contato com os fornecedores, além de um suporte para que, ao longo da jornada, possam ser tiradas dúvidas e até a solução de problemas.


3- Credibilidade


Um dos maiores desafios ao abrir uma empresa é construir a sua reputação e virar uma referência para o nicho de mercado. É um caminho difícil e competitivo, que pode levar vários anos para acontecer.


Uma franquia é como “um atalho” para quem quer ter esse reconhecimento no seu negócio. Ao abrir uma franquia, você carrega junto toda a história de credibilidade da franqueadora com você, tendo uma vida menos difícil para a captação de clientes e a fidelização deles, o que é de grande importância no começo.


 

Com os parceiros da MarketUP, você tem acesso a ferramentas para otimizar a divulgação dos seus produtos e serviços e se destacar no mercado. Saiba mais.


Concluindo…


Abrir uma franquia pode ser um caminho lucrativo e vantajoso para muitos empreendedores que sonham em ter um negócio próprio com um renome já estabelecido no mercado.


Mas antes de ir assinando os contratos, é mais que importante analisar a fundo o cenário do nicho escolhido, o ponto em que o empreendimento ficará e principalmente a parte do contrato sobre o que se pode e o que não se pode fazer.

Porque, apesar do seu negócio, você não é o dono da marca e, por conta disso, existem regras e condutas que devem ser seguidas. Caso isso não seja um empecilho, pode ter certeza que uma franquia é uma ótima alternativa.


Leia mais 


Se quiser mais dicas sobre o mundo da gestão de negócios, confira estes outros artigos:


Gostou do conteúdo? Fique de olho no Canal PME para entender mais sobre todos os principais temas do mercado e conhecer em primeira mão as novidades da MarketUP


Aproveite também para seguir a MarketUP nas redes sociais agora.


Compartilhe!

Case de Sucesso: a história de como Coronel Sanders criou o KFC

Quem vê a imagem do bom velhinho sorridente ao lado das letras KFC não imagina como sua história é interessante. Afinal, diferentemente de outras redes de alimentação, quem ilustra seu logotipo não é um personagem imaginário qualquer, mas seu fundador. Ou seja, o próprio Harland David Sanders, ou apenas Coronel Sanders, como ficou conhecido o criador do Kentucky Fried Chicken. Ou, KFC.

Mas o caminho de Coronel Sanders até criar a rede de franquias mundialmente famosa não foi nem um pouco simples. Aliás, muito antes de ser Coronel, Harland Sanders foi apenas outro sonhador com contas a pagar e família para ajudar. E, assim como tantos outros nessa situação, Sanders passou por altos e baixos antes de alcançar o sucesso desejado. E esse sucesso só começou a vir aos 62 anos.

Neste texto, contaremos como foi a jornada para criação e expansão do KFC. Então, continue a leitura para conhecer essa história e saber porquê você deveria admirar o Coronel Sanders, além dos frangos deliciosos.

Junte-se a mais de 100.000 empresas.Comece agora a utilizar o sistema ERP MarketUP 100% gratuito.

INFÂNCIA DE RESPONSABILIDADE

coronel-sanders-kfc (7)

Nascido em 9 de setembro de 1890, em Henryville, Indiana, Harland Sanders veio de uma família bastante modesta e religiosa. Seus pais eram Wilbur David e Margaret Ann Sanders. Wilbur trabalhava numa fazenda para sustentar a família. Porém, depois de quebrar uma perna, o pai de Harland precisou trabalhar como açougueiro para sustentar os três filhos. 

No entanto, a vida da família sofreu uma reviravolta quando Wilbur morreu inesperadamente. Harland tinha apenas cinco anos de idade. Mas, como era o filho mais velho, precisou cuidar dos irmãos enquanto a mãe trabalhava. Tanto que, aos 7 anos, já era o menino que preparava as refeições da família, como pães e carnes. No entanto, isso ainda não era suficiente: aos 10 anos, precisou arranjar trabalho numa fazenda para pode ajudar a mãe. 

Tudo parecia que ia melhorar quando Margaret se casou novamente. Mas os constantes atritos com o padrasto e a dificuldade na escola fizeram com que Harland abandonasse os estudos. E, aos 13 anos, recebeu permissão para morar com seu tio em New Albany. 

A BUSCA POR UMA VIDA MELHOR

coronel-sanders-kfc (9)

No novo lar, o futuro Coronel Sanders conseguiu um emprego como condutor na empresa de carros de seu tio. Nesse período, em busca de experiências, o jovem também falsificou documentos para servir ao exército dos Estados Unidos. Depois de um ano, teve dispensa honrosa e voltou a morar com o tio, que havia se mudado para Alabama. 

À partir daí, trabalhou em vários empregos: foi ajudante de ferreiro, limpador de cinzas e bombeiro de motores a vapor. Com a experiência adquirida, passou também a procurar empregos melhores, até que conseguiu um na empresa Norfolk and Western Railway. Durante o dia, Harland trabalhava na empresa ferroviária e, à noite, estudava Direito por correspondência. Foi nessa rotina que o jovem conheceu Josephine KIng, que tornou-se sua esposa e mãe de seus três filhos. 

Em busca de um salário melhor, mudou-se para Illinois, mas um desentendimento com um colega causou sua demissão. Sem emprego, separou-se da esposa e voltou a estudar Direito, e até conseguiu concluir o curso e trabalhar na área. Porém, a carreira nova também não durou. Assim, Harland voltou a morar com sua mãe e trabalhar na ferrovia da cidade onde sua família vivia.

O INÍCIO COMO EMPREENDEDOR

coronel-sanders-kfc (6)

Insatisfeito profissionalmente, Harland começou a pensar como podia empreender para mudar sua situação atual. Sua primeira ideia foi criar uma companhia de travessia por água. Mas, como ainda tinha pouco dinheiro, ele precisou buscar financiamento para seu projeto, o que o deixaria como acionista minoritário. A ideia fez tanto sucesso que dois anos depois rendeu a Harland um cargo na Câmara do Comércio de Indiana. 

Porém, ainda insatisfeito, o empreendedor vendeu sua companhia e usou o dinheiro para investir em outra ideia: lâmpadas de acetileno. Desta vez, no entanto, o negócio faliu rapidamente com a chegada das lâmpadas elétricas. Já aos 40 anos, Harland recebeu um convite da Shell Oil Company para gerir seu próprio restaurante em Kentucky. A única condição seria que o empresário entregasse uma porcentagem das vendas à empresa. 

SUCESSO DA FRANQUIA DO KFC

coronel-sanders-kfc (2)

O sucesso do negócio, que vendia refeições à base de frango e outras carnes, enfureceu um concorrente da mesma cidade. Num ataque de fúria, o empresário, irritado, atirou contra o restaurante rival, e matou um funcionário do local. Com sua prisão, Harland teve caminho livre para que seu restaurante se tornasse o mais famoso de Kentucky. Com o tempo, foi aperfeiçoando a receita secreta que usava para preparar frangos em seu restaurante. Ele a batiza de Kentucky Fried Chicken (Frango Frito de Kentucky), ou, simplesmente, KFC.

Em 1952, quando já estava com 62 anos, Coronel Sanders franqueou sua receita para um dos maiores restaurantes de Utah. A fama do frango atraía cada vez mais clientes ao estabelecimento e foi responsável por aumentar os lucros em 75%. Não demorou muito para que o investidor incluísse “KFC” ao nome de seu restaurante. E o sucesso atraiu cada vez mais interessados em franquear a receita secreta. Para cada frango vendido, 4 centavos de dólar deveriam ser pagos ao Coronel Sanders.

VENDA BILIONÁRIA E LEGADO

coronel-sanders-kfc (5)

Com o tempo, a franquia do KFC se expandiu para mais 600 locais. E Coronel Sanders, com seu 73 anos, percebeu que era hora de deixar sua criação voar mais alto ainda. Então, vendeu sua companhia por cerca de US$ 2 milhões, o que atualmente valeria cerca de US$ 14.5 milhões. No entanto, o fundador do KFC continuou a ser embaixador da marca até sua morte, em 1980, aos 90 anos.

A rede de franquias KFC não parou de crescer mesmo após a morte de seu principal representante mundo afora. Tanto que já são mais de 5 mil restaurantes espalhados por 120 países, o Brasil entre eles. Ou seja, são 14 milhões de clientes atendidos por dia. Além disso, estima-se que, para abrir uma franquia do KFC, o investidor deve desembolsar nada menos que R$ 1 milhão.

Por: Luis Carvalho

Junte-se a mais de 100.000 empresas.Comece agora a utilizar o sistema ERP MarketUP 100% gratuito.

Mercado de franquias: vale a pena investir?

Descubra como funciona uma franquia e as principais vantagens e dificuldades em tornar-se um franqueado

 

Com as mudanças pelas quais os MEIs passarão em 2019, é comum que muitos pensem em abrir suas próprias empresas. Mas sabemos que não é tão fácil assim entrar de cabeça nos negócios e obter o sucesso desejado. Principalmente com todas as dificuldades e desafios que o empreendedor brasileiro precisa enfrentar na busca pelo sucesso financeiro e profissional. Mas existe outra opção para aqueles que almejam investir em um negócio próprio: o mercado de franquias.

 

Investir em uma franquia em vez de abrir uma empresa do zero pode ser uma vantagem para os mais inexperientes. Afinal, você está investindo em uma marca já consolidada no mercado e que já foi testada e aprovada pelos consumidores. Dessa maneira, os riscos que podem fazer com que uma empresa feche em pouquíssimo tempo são muito menores. Além disso, ser um franqueado significa contar com a ajuda do franqueador experiente quando os negócios não estão indo bem.

 

Mas, como acontece em qualquer tipo de empreendimento, abrir uma franquia também pode ter seu lado negativo e seus “perrengues”. Antes de entrar de cabeça neste tipo de investimento, vale a pena pesquisar bastante para não dar passos em falso. Saber quais são as ideias de negócios mais lucrativas para apostar em 2019 já é um bom começo. Mas ainda falta, por exemplo, levantar o dinheiro necessário para o investimento inicial e ainda possuir capital de giro suficiente.

 

Veja, a seguir, mais detalhes sobre o mercado de franquias e descubra se vale a pena investir seu dinheiro nele.  

 

COMO ABRIR UMA FRANQUIA?

 

No Brasil, existe uma lei que regulariza este tipo de negociação e detalha direitos e deveres de franqueadores e franqueados. Segundo a legislação, o franqueador deve emitir uma Circular de Oferta de Franquia (COF). Este documento deve explicar como funciona o negócio e quais são as regras que devem ser seguidas pelo franqueado. Nele devem estar contidos também informações relevantes, tais como investimento inicial, valores de taxas, etc. Ele servirá para que a pessoa interessada na franquia decida se tem interesse ou é capaz de investir na rede.

 

Em caso positivo, o franqueador pode avaliar o franqueado para determinar se ele atende às exigência do COF. Caso isso não aconteça, o franqueador tem o direito de recusar o franqueado, segundo a lei. A legislação também desvincula a relação empregatícia entre franqueador e franqueado. Uma vez que o franqueador aceite o investidor, ele pode ingressar na rede – desde que a marca esteja devidamente registrada.

 

QUAIS SÃO OS CUSTOS DE UMA FRANQUIA?

 

Como citado no início deste artigo, fazer parte de uma rede de franquias requer investimentos e exige alguns custos. Alguns modelos de franquia podem demandar investimento inicial de R$ 5 mil, enquanto outros podem custar até R$ 30 milhões. Porém, abrir e possuir uma franquia exige vários outros custos, como:

 

 

  • Capital de giro

 

Reserva financeira para arcar com os custos da franquia nos primeiros meses da operação.

 

 

  • Taxa de franquia

 

Taxa cobrada para ingresso à rede da marca franqueadora.

 

 

  • Taxas de Royalties

 

Cobrança pelo uso da marca enquanto durar o contrato.

 

 

  • Taxas de propaganda

 

Contribuição do franqueado para o marketing e ações para divulgar a rede.

 

 

  • Taxas de sistema

 

Taxa pelo uso de tecnologias específicas e sistemas que demandam altos custos de manutenção.

 

 

  • Taxa de serviço

 

Valor cobrado quando a franqueadora efetua um serviço não planejado na unidade franqueada.

 

  • Custos operacionais

Gastos comuns como aluguel, serviços de telefonia, internet, energia elétrica, estoque, funcionários, etc.

 

QUAIS SÃO OS PRÓS E CONTRAS DAS FRANQUIAS?

 

Assim como qualquer outro tipo de investimento sério, abrir uma franquia tem seus prós e contras. Antes de decidir investir na rede, vale a pena conhecer todos eles a fim de tomar uma decisão consciente. Um dos prós mais em evidência é o fato da marca já estar consolidada no competitivo mercado. A rapidez com que o negócio pode começar a funcionar é outro ponto a favor. Possuir uma rede de relacionamento com outros franqueados e receber treinamento para gerir o negócio também são inestimáveis.

 

Mas nem tudo acontece às mil maravilhas no mundo dos franqueados. Um exemplo disso é a impossibilidade de mudar qualquer coisa na marca ou imprimir seu próprio toque ao negócio. Muitos empreendedores podem sentir que sua criatividade fica limitada aos padrões da rede franqueadora. Outra desvantagem são os excessivamente altos custos exigidos para que o franqueado possa ter o suporte oferecido pela franqueadora. Sem falar no risco que existe de que alguns franqueados causem algum dano à marca e cause prejuízo a todos.

 

Por: Luis Carvalho

 

VEJA MAIS

> Devo usar meu FGTS para abrir um negócio?

> 5 sinais que sua empresa está no caminho certo

> Como deixar seu ponto de venda atrativo e garantir boas vendas

 

3 dicas de franquia para investir com menos de R$20 mil

Acompanhe estas dicas de franquia para investir em um negócio com valores inferiores à R$ 20 mil reais de gastos

Se a pessoa tem o sonho de empreender, mas não chegou a desenvolver um plano de negócios para isso, uma dica é investir em microfranquias, que são opções cujo modelo de negócios já foi amplamente testado, portanto oferece risco muito pequeno. Acompanhe nossas dicas de franquia, pois algumas apresentam investimento abaixo de R$ 13 mil, o que torna o sonho acessível para quem pretende usar o décimo terceiro.

 

De acordo com o Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), cerca de 82 milhões de trabalhadores foram beneficiados com o 13º salário em 2017, um aumento de 4,7% na comparação ao ano passado.

 

Ao todo, R$ 200,5 bilhões foram injetados na economia brasileira. Aos que não comprarão presentes de fim de ano ou pagarão dividas, uma opção é o dinheiro em negócio próprio, de baixo investimento e baixo risco: as microfranquias.

 

O que é uma microfranquia?

 

Considera-se microfranquia quando o investimento inicial não ultrapassa R$ 80 mil, sendo que dentro desse grupo existem bandeiras que custam até 70% menos que esse valor. A Seguralta, única no franchising que oferece serviços de corretagem, é um exemplo.

 

O modelo home based (quando o franqueado trabalha em casa) custa R$ 16.500. Este é um formato que tem atraído a atenção de empreendedores devido aos valores acessíveis, a fácil manutenção do negócio e economia com gastos de ponto comercial. Não surpreende que das 550 franquias vendidas da Seguralta, boa parte seja do tipo home.

 

Mais dois exemplos: Evolute Cursos Profissionalizantes, rede de escolas de cursos voltados para a nova classe média brasileira, em que o investimento inicial pode ser de R$ 18 mil; e Sr. Computador, especializada em manutenção de computadores, tablets e acessórios.

 

Confira os detalhes de cada bandeira:

 

Nome: Seguralta Franchising

Investimento inicial: R$ 16.500

Taxa de franquia: R$ 16 mil

Royalties: 25% sobre o faturamento mensal

Taxa de propaganda: Isento

Retorno do investimento: 6 a 12 meses

Faturamento mensal bruto: R$ 8 mil

Site: www.franquiaseguralta.com.br

Nome: Evolute Cursos Profissionalizantes

Investimento inicial: de R$ 18 mil a R$ 50 mil

Taxa de franquia: de R$ 9 mil a R$ 21 mil

Royalties: R$ 160 mensais por computador com sistema de ensino instalado

Taxa de propaganda: Isento

Retorno do investimento: de 12 a 24 meses

Faturamento mensal bruto: R$ 50 mil

Site: www.evolutecursos.com.br

Nome: Sr. Computador

Investimento inicial: R$ 13 mil

Taxa de franquia: R$ 12.500

Royalties:

• Um salário mínimo no primeiro ano

• Dois salários mínimos a partir do segundo ano

Taxa de propaganda:

• 25% de um salário mínimo no primeiro ano

• 50% de um salário mínimo a partir do segundo ano

Retorno do investimento: de 8 a 12 meses

Faturamento mensal bruto: R$ 20 mil

Site: www.srcomputador.com.br

 

Por: Damaris Lago

3 dicas de franquia para investir com menos de R$20 mil

Acompanhe estas dicas de franquia para investir em um negócio com valores inferiores à R$ 20 mil reais de gastos

 

Se a pessoa tem o sonho de empreender, mas não chegou a desenvolver um plano de negócios para isso, uma dica é investir em microfranquias, que são opções cujo modelo de negócios já foi amplamente testado, portanto oferece risco muito pequeno. Acompanhe nossas dicas de franquia, pois algumas apresentam investimento abaixo de R$ 13 mil, o que torna o sonho acessível para quem pretende usar o décimo terceiro.

 

De acordo com o Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), cerca de 82 milhões de trabalhadores foram beneficiados com o 13º salário em 2017, um aumento de 4,7% na comparação ao ano passado

 

Ao todo, R$ 200,5 bilhões foram injetados na economia brasileira. Aos que não comprarão presentes de fim de ano ou pagarão dividas, uma opção é o dinheiro em negócio próprio, de baixo investimento e baixo risco: as microfranquias.

 

O que é uma microfranquia?

 

Considera-se microfranquia quando o investimento inicial não ultrapassa R$ 80 mil, sendo que dentro desse grupo existem bandeiras que custam até 70% menos que esse valor. A Seguralta, única no franchising que oferece serviços de corretagem, é um exemplo.

 

O modelo home based (quando o franqueado trabalha em casa) custa R$ 16.500. Este é um formato que tem atraído a atenção de empreendedores devido aos valores acessíveis, a fácil manutenção do negócio e economia com gastos de ponto comercial. Não surpreende que das 550 franquias vendidas da Seguralta, boa parte seja do tipo home.

 

Mais dois exemplos: Evolute Cursos Profissionalizantes, rede de escolas de cursos voltados para a nova classe média brasileira, em que o investimento inicial pode ser de R$ 18 mil; e Sr. Computador, especializada em manutenção de computadores, tablets e acessórios.

 

Confira os detalhes de cada bandeira:

 

Nome: Seguralta Franchising

Investimento inicial: R$ 16.500

Taxa de franquia: R$ 16 mil

Royalties: 25% sobre o faturamento mensal

Taxa de propaganda: Isento

Retorno do investimento: 6 a 12 meses

Faturamento mensal bruto: R$ 8 mil

Site: www.franquiaseguralta.com.br

 

 

Nome: Evolute Cursos Profissionalizantes

Investimento inicial: de R$ 18 mil a R$ 50 mil

Taxa de franquia: de R$ 9 mil a R$ 21 mil

Royalties: R$ 160 mensais por computador com sistema de ensino instalado

Taxa de propaganda: Isento

Retorno do investimento: de 12 a 24 meses

Faturamento mensal bruto: R$ 50 mil

Site: www.evolutecursos.com.br

 

 

Nome: Sr. Computador

Investimento inicial: R$ 13 mil

Taxa de franquia: R$ 12.500

Royalties:

  • Um salário mínimo no primeiro ano
  • Dois salários mínimos a partir do segundo ano

Taxa de propaganda:

  • 25% de um salário mínimo no primeiro ano
  • 50% de um salário mínimo a partir do segundo ano

Retorno do investimento: de 8 a 12 meses

Faturamento mensal bruto: R$ 20 mil

Site: www.srcomputador.com.br

 

Por: Damaris Lago

10 passos para quem quer investir em franquias

Dúvidas na hora de escolher uma franquia? Veja essas dicas antes de tomar sua decisão final em relação às franquias!

 

O mercado brasileiro de franquias tinha a previsão de crescimento de 14% em 2013. O volume de interessados em um negócio franqueado aumenta todos os anos conforme demonstraram os números da 22ª edição da maior feira de franquias do mundo, a ABF Franchising Expo 2013, realizada em junho, que recebeu 63 mil visitantes, um número 3% maior do que em 2012, com uma perspectiva de geração de negócios em torno de R$480 milhões.

 

A maior dúvida de quem procura por uma marca de franquia é como escolher. O momento de decisão pode ser uma angústia para o interessado diz o consultor e diretor Executivo da empresa mineira Anewton Franchising, Lucien Newton.

 

Para ele, além de ter o recurso necessário, o futuro franqueado deve ter em mente dez cuidados fundamentais para ter sucesso em sua decisão e aliviar a pressão da escolha. “O investidor deve sim ser bastante cauteloso na tomada de decisão para entrar no mercado.

 

Quanto mais conhecimento do segmento o interessado obtiver através de pesquisas e avaliações, mais assertiva será sua decisão e maiores suas chances de sucesso”, afirma Lucien Newton. Abaixo, o consultor listou os 10 passos fundamentais para quem quer comprar uma franquia.

 

Veja aqui os dez principais passos para escolher uma franquia:

 

Entenda o seu perfil

 

Quais são suas principais forças e fraquezas? Com o que você sonha? O que te impede de realizar? O que você gosta de fazer e trabalhar? Sabe o que é ser um empresário? Sabe o que é ser um franqueado? Está preparado para enfrentar os desafios inerentes a ser um franqueado e atuar de acordo com normas e padrões estipulados pelo Franqueador?

 

Mercado

 

Onde você pretende instalar o seu negócio? A marca escolhida pode ter sucesso nessa região? Você avaliou a concorrência? O público pode comprar o que você vai oferecer? O ambiente é adequado ao perfil da marca? Pense nisso antes de assinar um contrato.

 

Recursos Financeiros

 

Quanto você pode realmente investir nesse negócio? Você pode esperar alguns meses para começar a ter retorno? Além dos recursos para investir na implantação do negócio, dispõe de reservas para continuar vivendo até que o negócio permita que você faça alguma retirada?

 

Oportunidades

 

Conheça os sites e publicações especializados em franquias. No portal da ABF (www.abf.com.br) você consegue boas referências e encontra todas as marcas filiadas à entidade listadas com valores, perfis e muito mais. Leia também o livro “Como investir numa franquia, sem entrar numa fria” de Marcelo Cherto.

 

Conheça o Franqueador

 

Analise o franqueador, sua equipe, sua origem e quem está à frente da operação. Procure avaliar a credibilidade e o histórico de sucessos (ou fracassos) dos integrantes a equipe do Franqueador.

 

Converse

 

É fundamental conversar com quem já está no negócio. Visite franqueados, telefone ou acompanhe seu desenvolvimento no mercado. Não tenha receio de conversar também com os franqueados que se desligaram da rede. Saiba se o franqueador é aquilo que diz ser.

 

Contrato

 

Peça ajuda jurídica e não assine sem ter lido com muita atenção. É preciso saber exatamente o que te espera e com o quê você realmente poderá contar. Você jamais poderá alegar, em sua defesa, que ignora o que diz o contrato, que afirmou ler.

 

A Circular de Oferta de Franquia – COF

 

O prazo mínimo para você receber a COF é de 10 dias. Antes disso nenhum documento deve ser assinado, nenhum pagamento deve ser feito em relação à compra do negócio. Leia com atenção e veja se concorda com tudo o que está escrito.

 

Na hora da decisão use a razão

 

A franquia que serve para uma pessoa pode não ser a mais indicada para outra. Não seja impulsivo e emotivo. Use a razão afinal essa decisão poderá afetar a sua vida e a de sua família para sempre. Avalie bem antes de investir o seu dinheiro e lembre-se que você está colocando em prática um sonho e não quer se decepcionar.

 

10. Franqueado

 

Você deverá seguir as regras do franqueador para ser bem-sucedido. O seu papel como franqueado não será de reinventar o que já foi testado. Se você acha que não conseguirá viver com isso, então talvez seja melhor rever sua decisão de investir numa franquia.

 

Fonte: Scritto Comunicação Empresarial

Franquia: passo a passo para abrir a sua (parte 2)

Se você fez todas as projeções necessárias e conversou com franqueados, é hora de levar em consideração os gastos menores da franquia

Depois de escolher o local e o ponto de sua franquia (explicado na “parte 1”), começa o processo de montagem da loja. É importante levar em consideração as despesas com o arquiteto, pedreiro, materiais de construção, móveis e equipamentos para a operação, como computadores e televisão – sem contar softwares de gestão financeira e empresarial, como a própria MarketUP.

Compra mínima para operação

Quando a própria franqueadora fornece produtos, na maioria das vezes, ela exige um valor mínimo de compra para a operação da loja. Se você chegou até aqui, pode pensar que serão muitos gastos, mas reflita o seguinte: você está investindo em um modelo de negócios consistente, que renderá um bom lucro e reconhecimento se o modelo for seguido.

Existem também modelos de crédito específicos para o segmento: certos bancos oferecem condições especiais para facilitar a compra ou a ampliação de uma franquia.

Investimento inicial

No momento em que começam as atividades, na planilha de despesas deve estar constando o pagamento os royalities – podendo ser um valor fixo, um percentual do faturamento ou insumos que serão comprados. Há de se levar em conta ainda o fundo de propaganda e os gastos específicos de cada segmento.

Entre os investimentos iniciais, estão: a taxa de franquia, abertura de firma, aluguel, projeto arquitetônico, material de construção, equipamentos e móveis, compra de produtos, capital de giro e gastos com treinamento dos funcionários.

Realize uma projeção financeira

A projeção financeira trata-se de uma estimativa do potencial de faturamento que a loja possui, contando os custos e despesas. Questione ao franqueador sobre a performance de suas franquias, sabendo quais lojas tem maior ou menor rentabilidade e o porquê.

Saiba ainda os motivos de cada situação, estas informações irão te direcionar durante o planejamento, porém, tenha em mente que o responsável pelo sucesso da loja é sempre o franqueado. Considere que, geralmente, as taxas de franquia variam entre R$ 20 mil e R$ 40 mil.

Tenha o apoio de um advogado

Antes do contrato ser firmado, certas redes avaliam a capacidade de seus candidatos a franqueados através de testes e análises do histórico profissional. Existe até a possibilidade de um test-drive, no qual o candidato tem a experiência real em uma unidade, para que ele tenha uma melhor ideia sobre do que se trata o seu futuro negócio.

Depois de abrir uma firma, se tudo correr bem, é a hora de fechar o contrato. Neste momento, é recomendada a ajuda de um advogado, para que detalhes não passem desapercebidos.

Selecione um bom ponto comercial

Apenas um bom produto não garante o sucesso do negócio. Sendo assim, faça uma boa análise da região que você quer estar presente, escolha os lugares onde você enxerga grande potencial e os visite a pé em dias e horários diferentes. Isso serve para entender o fluxo de pessoas da região e qual o perfil do futuro público.

Veja ainda se a área possui concentração de estabelecimentos comerciais, bancos e lotéricas. A presença desses comércios pode aumentar o movimento.

Conheça seu público e escolha entre rua ou shopping

Pesquise com o franqueador sobre os clientes da marca e seus desejos. Ao abrir uma loja de rua a visibilidade é maior, porém podem haver obstáculos. A maior vantagem seria o valor de aluguel mais baixo. Porém, existe uma menor segurança.

Nos shoppings, além da maior segurança e conforto, o público está mais disposto a consumir e existe estacionamento. As desvantagens estariam no valor do aluguel e a grande concorrência. Visite pontos da franquia de interesse e veja na prática como funciona.

 

Franquia: passo a passo para abrir a sua

Invista seu dinheiro com segurança e aproveite as vantagens de se abrir uma franquia testada e aprovada

O fato de se investir em uma franquia testada e aprovada leva cada vez mais brasileiros a entrar no ramo. A cada ano, aparecem cerca de 300 redes franqueadoras e de 9 a 10 mil novos franqueados, isso de acordo com o livro “Como abrir uma franquia sem entrar numa fria”.

Diego Simioni, diretor geral da Franquiaz, consultoria especializada em franquias, explica que entre os pontos de atração para o setor, está a segurança do investimento em uma marca consolidada, facilitando o início da operação e a captação de novos clientes. “Além de prover a marca, a franqueadora garante ao franqueado o know-how para gerir o negócio”, diz.

As franquias também apresentam segurança na crise financeira: enquanto 24% dos negócios independentes de pequeno porte não completam dois anos, segundo dados do Sebrae, quando falamos de franquias a taxa de mortalidade é bem menor. Em 2014, por exemplo, apenas 3,7% das unidades fecharam.

Para garantir o seu sucesso, o empreendedor não precisa somente arcar com os investimentos iniciais e possíveis treinamentos. É necessário ter disciplina para seguir manuais e padrões, entender o seu valor para a rede e se comprometer com a marca.

Acompanhe algumas dicas iniciais para você que quer abrir uma franquia ainda em 2018:

Se auto avalie

A primeira coisa é não ter em mente que ao comprar uma franquia, haverá menos trabalho. Existe a ajuda da franqueadora, mas no fim você é quem vai ficar à frente do negócio. Condições financeiras também são importantes, claro, é possível fazer uma análise de seu equilíbrio através de suas finanças pessoais.

Se você não tem experiência em gestão, não há problema, treinamentos fornecidos por franqueadores dão informações sobre o controle das receitas e gestão de softwares.

Selecione os setores de seu interesse

É recomendado fazer uma lista dos segmentos que você tem mais afinidade e se imagina na liderança. É ideal pensar no quanto o empreendimento pode lucrar e o que desperta interesse, porém, é importante pensar também no segmento que mais se gostaria de estar envolvido.

Leve em conta fatores como: competitividade, lucratividade, perspectivas e potencial.

Pesquise bastante

Para saber mais sobre o mercado de franquias, faça uma pesquisa em sites apropriados como o da Associação Brasileira de Franchising. Evite modismos, eles são passageiros e vão embora como aparecem, como foi o caso das “paletas mexicanas”. De acordo com a ABF, os dois setores mais lucrativos são: negócios, serviços e outros varejos.

Faça um estudo de campo

Se você já escolheu a sua marca, visite as franquias concorrentes e procure analisar a qualidade dos produtos. Alguns requisitos obrigatórios para estudo são: investimento, tempo de retorno, custos operacionais, faturamento médio, lucro esperado, prazo do contrato, ticket médio, diferenciais, apoio e suporte.

Circular de Oferta de Franquia (COF)

Aqueles candidatos que possuem os requisitos para ter uma franquia recebem a Circular de Oferta de Franquia (COF), contendo os direitos e deveres do franqueado e do franqueador. No documento, se encontram informações relevantes para avaliar a viabilidade do negócio, coisas como o investimento inicial e as taxas cobradas.

A Lei de Franquias determina que a compra de uma franquia só pode ser efetivada 10 dias após o recebimento da COF, o que garante mais segurança ao investidor.

Converse com franqueados

Escolha pelo menos cinco franqueados para conversar, uma amostra razoável para ter uma opinião consistente. É importante ainda que estes franqueados estejam em diferentes estágios do negócio.

Faça as contas

Para ter direito de usar a marca, é dever do franqueado pagar a taxa de franquia no momento de assinatura do pré-contrato. Considere o aluguel do ponto, que nem sempre é embutido nos valores de investimento.