Últimas postagens

Ver todos

Quanto custa abrir uma empresa no Brasil?

Saber mais sobre os custos de abrir uma empresa no Brasil é fundamental para você planejar sua vida financeira

Todos sabem que para abrir uma empresa no Brasil existem diversos processos burocráticos, mas, nos últimos anos, com a existência de ferramentas online e artigos na internet, esse fato tem mudado.

Hoje, se você quer realizar o seu sonho de abrir o próprio negócio é necessário, primeiramente, uma boa ideia, mas também ter dinheiro para arcar com as despesas logo de início.

Os custos para inaugurar um negócio variam de acordo com o estado e tipo da empresa, mas, conforme indica o relatório global Doing Business 2017, feito pelo Banco Mundial, o valor inicial médio no Brasil é de aproximadamente R$ 1.600.

De forma geral, o empresário terá que arcar com as seguintes despesas para iniciar o seu plano de negócio: o DARE (Documento de Arrecadação de Receitas Estaduais), o DARF (Documento de Arrecadação das Receitas Federais), a Junta Comercial e o Certificado Digital.

IMPOSTOS

Os impostos mudam de acordo com a escolha do regime tributário. São eles: Imposto de Renda Pessoas Jurídica (IRPJ), Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL), Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), Imposto Sobre Serviços (ISS), Programa de Integração Social de Formação do Patrimônio do Servidor Público (PIS/Pasesp), Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (Cofins), Imposto sobre Produto Industrializados (IPI) e a Contribuição Previdenciária Patronal (CPP).

Uma das principais etapas para se abrir uma empresa trata-se de possuir paciência e um bom dinheiro nas primeiras ações, pois devem ser feitos os pagamentos do contrato social, as taxas e registros das esferas Estadual e Federal.

Como é de se esperar, os custos mudam de acordo com o porte da empresa. Existe o regime de Microempreendedor Individual, o conhecido MEI, e o de Microempresa, que por sua vez é maior e tem custo equivalente.

REGIME TRIBUTÁRIO

Outra questão é o regime tributário que deverá ser escolhido para que a empresa fique bem classificada. Atualmente existem três tipos o Simples Nacional, o Lucro Presumido e o Lucro Real.

No caso do Simples Nacional, ele é feito para empresas com faturamento até R$ 4,8 milhões por ano. Segundo o Sebrae é a opção mais adequada, por possuir alíquotas nominais que variam de 4,0% a 22,90% que abrangem diversos setores da economia.

O outro regime de tributação é o Lucro Presumido, escolhido para empresas que faturam até R$ 78 milhões por ano, aqui as alíquotas podem variar de 8% para atividades direcionadas a indústria e comércio, e até 32% para o setor de serviços.

E, por fim, o tipo de regime tributário chamado de Lucro Real tem como objetivo apurar o Imposto de Renda (IRPJ) e a Contribuição Social Sobre o Lucro Líquido (CSLL) das empresas. Sob este regime incidem alíquotas de 15% e 9%, do PIS e COFINS. É considerado o modo mais complexo de tributos.

Se quiser saber mais sobre esses tipos de impostos, veja este texto do Sebrae.

De qualquer maneira sempre é recomendado a opinião profissional de um contador para que não sejam tomadas decisões precipitadas.

OUTROS CUSTOS

Levando em conta a definição do capital social da empresa, que inclui o valor financeiro que será injetado para a abertura e estabilização das margens, o conjunto de regras da sociedade e a limitação de responsabilidade são determinados pelo valor investido de cada empreendedor.

Existem ainda gastos com vigilância sanitária, licenças e adequações de segurança que devem ser levadas em conta, por exemplo.

A opção mais barata atualmente para se tornar empreendedor é se tornando MEI, pois não há nenhum gasto previsto no processo de abertura, e pode ser feito online no Portal do Empreendedor, onde você já sai com CNPJ após um rápido cadastro.

Para mais informações veja estas dicas do Sebrae para iniciar bem o seu novo negócio e se tornar um empreendedor de sucesso.

MEIs: Passo a Passo Para a Declaração Anual do Simples Nacional

A Declaração Anual do Simples Nacional para o Microempreendedor Individual (DASN – SIMEI), ou também conhecida como Declaração Anual Simplificada – DASN, é uma das obrigações e responsabilidades que o MEI deve apresentar anualmente.

Todo início do ano, com o prazo até o último dia de maio, o microempreendedor deve enviar à Receita Federal a declaração referente ao ano do calendário anterior.

Deve informar ainda seu faturamento anual bruto, valor das receitas referentes a comércio, indústria ou serviço intermunicipal e se houve contratação de funcionário.

A declaração conterá os valores dos tributos devidos em cada mês, o valor de apuração, a soma dos valores apurados de cada tributo e o valor pago por ele.

Para que não haja dúvida na hora de fazer a declaração, a dica é fazer o cálculo mensal das receitas e guardar as notas em local apropriado.

A Declaração é transmitida somente via www.portaldoempreendedor.gov.br e pode ocorrer até às 23h59 do dia 31 de maio.

A declaração já pode ser preenchida, caso o MEI não a realize correr o risco de ter seu CNPJ bloqueado junto a Receita Federal.

Por: Ed Leandro

Com informações do Sebrae

Formalização de Pequenos Negócios: um Passo a Passo Simples

Você sabia que o Brasil já conta com quase quatro milhões de microempreendedores? Essa é uma prova de que nosso país é, definitivamente, uma nação de pessoas que buscam melhores condições de vida e independência. Entretanto, nem todos os micro e pequenos empresários brasileiros são formalizados. A razão disso, em muitos casos, é apenas falta de informação. Neste tutorial, você verá como é bem simples formalizar seu empreendimento via o MEI!

1 – O que é o MEI?

O MEI é um regime tributário para quem fatura até R$ 60 mil por ano e ao se cadastrar o empreendedor terá direito a uma série de benefícios, como, por exemplo: auxílio doença, aposentadoria, auxílio maternidade – além de poder emitir notas fiscais e ter mais facilidade para conseguir empréstimos e descontos com atacadistas.

2 – O que Preciso Para me Formalizar?

Outra vantagem do MEI se dá na praticidade do seu processo de cadastramento. Para aderir ao regime tributário, basta seguir a página de cadastro do Portal do Empreendedor. Caso tenha qualquer dúvida, faça o download do Manual de Inscrição do MEI, aqui mesmo no Blog MarketUP.

3 – Quais Serão Meus Gastos?

Os empreendedores que se cadastrarem no MEI ficarão isentos de tributos federais (Imposto de Renda, PIS, Cofins, IPI e CSLL), pagando somente um valor mensal de R$ 37,20 ( para comércios ou indústrias), R$ 41,20 (no caso da prestação de serviços) ou R$ 42,20 (comércio e serviços) e eventuais taxas estaduais/municipais que variam de acordo com a atividade exercida pelo empreendedor.

0 – O Que Faço se Minha Empresa Crescer?

Toda empresa espera atingir cada vez mais sucesso, não é mesmo? Caso sua empresa alcance rendas superiores a R$ 60 mil anuais, a melhor opção é migrar para o regime tributário do Simples Nacional. Acesse a página do Simples Nacional no Portal da Receita e tire suas dúvidas sobre este regime!

Por: Redação MarketUP