Últimas postagens

Ver todos

Banco Central registra 1,5 mil operações no primeiro dia de fase restrita do PIX

Número de chaves cadastradas chega a 60 milhões. Maior transação foi de R$ 35 mil.

O primeiro dia de operação do PIX, novo sistema de pagamentos instantâneos do Brasil, registrou 1.570 operações e ocorreu com poucas percalços técnicos, afirma o Banco Central.

Nesta terça-feira (3), o BC e instituições financeiras deram início à primeira fase de testes do PIX, somente com grupos selecionados. O serviço foi liberado para uma base de 1% a 5% dos clientes cadastrados, escolhidos pelos bancos.

Neste primeiro dia de operação, o BC afirma ter rastreado intercorrências de sintonia entre os sistemas do PIX e das instituições financeiras. A equipe técnica diz, contudo, que não registrou eventos que não haviam sido mapeados.

“Algumas instituições tiveram questões de conectividade nos primeiros momentos do dia, o que é normal e planejado. A quantidade limitada de clientes é para que todos possam terminar o processo de acionamento dos sistemas com a maior tranquilidade possível e impactando um número limitado de agentes”, afirmou o chefe-adjunto do Departamento de Competição e de Estrutura do Mercado Financeiro do BC, Carlos Eduardo Brandt.

“É exatamente isso que estava dentro de todos os roteiros e manuais de planejamento dessa entrada em operação. O sistema do BC foi operante durante todo o tempo e funcionou de forma perfeita durante todo o dia”, disse.

Ainda de acordo com o BC, a maior transação registrada foi de R$ 35 mil. O número de chaves nesta terça-feira também chegou a 60 milhões.

Fase restrita

A fase restrita vai até o dia 15 de novembro. Neste período, apenas alguns clientes bancários poderão realizar operações de pagamento, em horários determinados. Somente a partir do dia 16 o PIX irá funcionar integralmente, para todos os clientes cadastrados, 24h por dia, 7 dias da semana.

Os testes servem para:

  • Testar todos os casos de uso disponíveis do PIX para lançamento do sistema integral
  • Verificar o funcionamento do PIX no ambiente de produção dos bancos e do Banco Central

Segundo o BC, a maior parte das instituições liberou o serviço para a faixa mínima de clientes nesta terça-feira para ampliar a quantidade ao longo dos dias.

“A expectativa é de que, gradativamente, essa quantidade de operações vá subindo à medida que clientes vão tomando conhecimento das soluções, se familiarizando com aplicativos”, diz Brandt.

Nesta fase restrita de operações, o PIX vai funcionar somente em horários pré-definidos:

  • Das 9h às 22h nos dias 3, 4, 7, 8, 9, 10, 11, 14 e 15 de novembro
  • Das 9h às 24h nos dias 5 e 12
  • Das 0h às 22h nos dias 6 e 13
Fonte: G1

PIX começa a operar nesta terça em fase restrita

Até o dia 15 de novembro, apenas clientes selecionados pelos bancos terão acesso à todas as funcionalidades do PIX, mas em horários restritos. A partir do dia 16, sistema ficará disponível 24h por dia a todos os clientes bancários cadastrados

 

Banco Central dá início, nesta terça-feira (3), à primeira etapa das operações do PIX, o novo sistema de pagamentos eletrônicos no Brasil. Nesta primeira fase, que funcionará como teste da nova modalidade, somente clientes selecionados pelos bancos terão acesso à todas as funcionalidades.

Chamada de fase restrita, essa etapa se estende até o dia 15 de novembro. Neste período, apenas alguns clientes bancários poderão realizar operações de pagamento, em horários determinados. Somente a partir do dia 16 o PIX irá funcionar integralmente, para todos os clientes cadastrados, 24h por dia, 7 dias da semana.

São dois os principais objetivos desta fase restrita do PIX:

  • Verificar o funcionamento do PIX no ambiente de produção dos bancos e do Banco Central
  • Testar todos os casos de uso disponíveis do PIX para lançamento do sistema integral

De acordo com a Federação Brasileira de Bancos (Febraban), o BC orientou as instituições financeiras a selecionarem usuários aptos a operar no PIX de modo a refletir o perfil de seus clientes, tanto de pessoas físicas quanto jurídicas, em termos de faixa etária e localização geográfica.

“Vale frisar que no período de operação restrita todos os clientes já deverão estar aptos a receber um PIX mediante inserção manual ou chave PIX (desde que possuam chaves cadastradas), enquanto os clientes selecionados terão acesso à integralidade de funcionalidades do PIX”, destacou a Febraban.

Ou seja, na fase restrita do PIX, que vai até o dia 15 de novembro, somente clientes selecionados pelos bancos poderão fazer pagamentos, mas qualquer pessoa que já tenha cadastrado uma chave no novo sistema poderá receber as transferências.

Nesta fase restrita de operações, o PIX vai funcionar somente em horários pré-definidos:

  • Das 9h às 22h nos dias 3, 4, 7, 8, 9, 10, 11, 14 e 15 de novembro
  • Das 9h às 24h nos dias 5 e 12
  • Das 0h às 22h nos dias 6 e 13

Já no dia 16 de novembro, o PIX começará a funcionar às 9h. A partir de então, ele irá operar ininterruptamente, todos os dias do ano, 24 horas por dia.

O PIX é um novo meio de pagamentos e transferências desenvolvido pelo Banco Central para facilitar as transações financeiras. Não é um aplicativo nem banco, e funciona com as contas que o cliente já tem em alguma instituição financeira.

A expectativa do mercado é que o sistema seja o grande substituto de DOCs e TEDs, por ser gratuito e estar disponível a qualquer hora, sete dias por semana. A quantia cai instantaneamente.

Fonte: Portal G1

Entenda a diferença entre Pix, TED e DOC

Muito tem se falado sobre Pix, não é mesmo? Este pode ser um assunto que ainda é motivo de dúvidas para algumas pessoas. Por exemplo, você sabe qual é a diferença entre Pix, TED e DOC? Este novo meio de pagamento apresenta características bastante distintas dos demais, assim como algumas importantes vantagens. 

Qual é a diferença entre Pix, TED e DOC

O Pix é o novo meio de pagamento que será lançado pelo Banco Central em 16 de novembro de 2020. Ele funcionará de maneira instantânea, ou seja, você receberá e poderá fazer pagamentos em tempo real. 

Atualmente, as instituições financeiras oferecem dois meios de pagamento: o TED e o DOC. O Pix será mais uma opção para que as pessoas possam movimentar seu dinheiro. Confira quais são as principais características de cada meio:

TED – Transferência Eletrônica Disponível

Escolhendo o TED como meio de pagamento, o dinheiro que será enviado para outra pessoa só será creditado na conta até às 17 horas do mesmo dia. Se for após esse horário, esta movimentação ficará para o dia seguinte. 

Na opção TED não tem um valor mínimo para transferências e é possível fazer movimentações superiores a R$ 5 mil. Além disso, TED só funciona em dias úteis.

DOC – Documento de Ordem de Crédito

Bastante utilizado pela maioria das pessoas, o DOC é a opção de pagamento que tem como valor máximo R$ 4.999,99. O dinheiro é creditado na conta do destinatário no dia seguinte da operação e caso seja realizada após às 22h, levará até mais de um dia útil.

Igual ao TED, o DOC também só pode ser feita em dias úteis.

Pix

O Pix está chegando com o objetivo de simplificar as movimentações financeiras dos brasileiros. Afinal, ele vai funcionar o tempo todo, ou seja, 24 horas por dia e 7 dias por semana, mesmo aos finais de semana e feriados. 

É possível comparar o Pix com transferências realizadas entre contas do mesmo banco. Nesta opção, em questão de segundos o dinheiro será creditado na conta de destino. Outro ponto importante do Pix é que para fazer transferências você só vai precisar da chave Pix, podendo ser o número do celular, CPF ou e-mail, por exemplo. Enquanto em movimentações TED e DOC é preciso ter todas as informações completas da conta do banco do destinatário. 

Você já cadastrou suas chaves Pix? Prepare-se para aproveitar o melhor deste novo meio de pagamento!

Entenda qual será o impacto do Pix no mercado de cartões e maquininhas

Se você é cliente de alguma instituição financeira, ela provavelmente tem tentado convencê-lo nas últimas semanas a fazer o pré-cadastro no Pix.

O novo meio de pagamento eletrônico instantâneo que vem sendo desenvolvido pelo Banco Central será lançado em 16 de novembro e o registro começa agora em 5 de outubro.

A plataforma vai permitir a realização de transferências bancárias a qualquer hora do dia, em qualquer dia da semana e sem ônus — colocando em xeque a TED ou do DOC, que hoje podem custar mais de R$ 15, a depender do pacote de serviços do correntista.

O impacto potencial da mudança, entretanto, vai bem além da isenção das transferências. O Pix também tem vocação para substituir os boletos bancários e pode mudar a experiência de consumo no débito e em dinheiro em espécie.

De qualquer maneira, qualquer ponto percentual nesse mercado é muito coisa: por ano, ele movimenta cerca de R$ 1,8 trilhão, conforme os dados da Associação Brasileira das Empresas de Cartões de Crédito e Serviços referentes a 2019.

Entenda, a seguir, como o serviço pode afetar consumidores, empresas e os protagonistas e coadjuvantes da cadeia de meios de pagamentos (a indústria de maquininhas, as operadoras de cartões e os grandes bancos).