Últimas postagens

Ver todos

Quais as diferenças entre as principais notas fiscais para PMEs

Que a emissão de notas fiscais é um dos processos mais importantes para as empresas que realizam operações de venda de produtos e serviços, isso você já sabe. Aqui no Canal PME, já abordamos todos os motivos pelos quais o seu negócio deve emitir e armazenar esses documentos, bem como dicas sobre como escolher o melhor emissor de notas fiscais eletrônicas — as NF-es — para o seu estabelecimento. 

As notas fiscais são o documento que comprova e regulariza todas as transações de venda de produtos e prestação de serviços feitos pela sua empresa. Elas são essenciais para que a declaração dos impostos sobre as operações realizadas seja feita corretamente, além de garantirem o bom funcionamento do seu negócio e serem uma ferramenta interna bastante útil e eficaz. Mas você sabe quais as diferenças entre as NFs?

A seguir, confira o que são e para que servem cada uma das 3 principais notas fiscais para as micro e pequenas empresas. Confira!

Nota fiscal eletrônica de produtos (NF-e)

Você já deve ter notado que sempre que faz uma compra online, o pedido chega à sua casa acompanhado de um documento. Essa é a NF-e, versão eletrônica e digital da nota fiscal. Ela é emitida pela Secretaria da Fazenda (Sefaz) de cada estado sempre que há a comercialização de mercadorias físicas e cobrança do imposto sobre produtos industrializados (IPI) e do imposto sobre circulação de mercadorias e serviços (ICMS). A versão enviada para o consumidor é um Documento Auxiliar da Nota Fiscal Eletrônica (Danfe), que deve acompanhar o transporte da mercadoria para atestar a operação. O cliente recebe, ainda, a versão com validade fiscal da NF-e — o XML — por e-mail.

Nota fiscal eletrônica de serviços (NFS-e)

A NFS-e possui a mesma premissa que a NF-e; contudo, ela registra operações de comercialização de serviços — cursos, assinaturas, produtos digitais, entre outros — entre empresas ou para pessoas físicas. Diferentemente da NF-e, ela é municipal e, por isso, deve ser expedida junto à prefeitura em que está registrado o CNPJ da organização prestadora de serviço. Além disso, sua emissão é mais simples, pois necessita apenas da inscrição municipal, a qual gera o Documento Auxiliar da Nota Fiscal de Serviços Eletrônica (Danfse) e tem como característica ser um modelo mais flexível.

Nota fiscal eletrônica de consumidor (NFC-e)

Já a NFC-e é um documento digital alternativo aos cupons fiscais. Ela é emitida principalmente por estabelecimentos que atuam no varejo para seus clientes finais. A obrigatoriedade de emissão varia de estado para estado.

Além da NFC-e, pode ser necessário emitir outros documentos fiscais em diferentes localidades do País.

  • Cupom fiscal eletrônico (CF-e): uma variação da NFC-e em São Paulo. A contingência da nota fiscal eletrônica de consumidor é feita por meio do CF-e, pois ele é emitido pelo SAT e não exige conexão ininterrupta à internet.


  • Módulo fiscal eletrônico (MFE): modelo de nota fiscal emitido pelos contribuintes varejistas do Ceará. Apesar de ter funcionamento parecido com o SAT Fiscal de São Paulo, possui diferenças como bateria interna, GPS e comunicação GPRS com a Sefaz. 

Com o ERP MarketUP, a sua empresa emite todas as principais notas fiscais de forma simples, rápida e gratuita, garantindo o cumprimento de todas as regras fiscais do seu estado ou município. O nosso emissor fiscal possui conexão com a Sefaz, emite NF-es, NFS-es e NFC-ES e fornece uma série de recursos fundamentais para a gestão do seu negócio, tais como o controle de caixa e estoque. Além disso, ela ainda oferece gráficos e relatórios para dar uma melhor visão do rendimento de seu empreendimento.

Ficou interessado pelo MarketUP? Acesse o nosso site, conheça mais sobre os nossos produtos e serviços e crie sua conta 100% gratuita. E fique de olho no Canal PME para entender mais sobre todos os principais temas do mercado e conhecer em primeira mão as novidades da MarketUP!

Redação MarketUP

Tudo que você precisa saber sobre como gerar DANFE online

Os vários avanços da tecnologia permitiram que as empresas se modernizassem, facilitando a realização de processos que antes eram complicados. Um dos exemplos de maior destaque é a emissão de nota fiscal, essencial para que as empresas registrem suas vendas. Hoje, é obrigatória a emissão da NF-e (Nota Fiscal Eletrônica). Mas, em alguns casos, ainda é necessário gerar DANFE online.

O Documento Auxiliar da Nota Fiscal Eletrônica (DANFE) nada mais é do que uma versão impressa e simplificada da NF-e. Na prática, o DANFE serve para facilitar a consulta dos dados de uma compra quando não é possível fazê-la online. Além disso, é obrigatório que veículos de entrega de produtos possuam o DANFE para comprovar que estão autorizados a transportá-los. Caso contrário, são penalizados.

Mas uma dúvida que muitos gestores modernos ainda podem ter é: afinal, como gerar DANFE online? Não existe segredo algum para fazer isso, é claro, mas, antes, vamos entender um pouco mais sobre o DANFE. Nos acompanha?

Junte-se a mais de 100.000 empresas.Comece agora a utilizar o sistema ERP MarketUP 100% gratuito.

POR QUE O DANFE É TÃO IMPORTANTE?

como-gerar-danfe-online (3)

Para os consumidores, o DANFE é de extrema importância. Ele permite consultar a NF-e e confirmar sua existência. Caso não existisse, significaria que o remetente está em situação irregular perante o Sefaz (Secretaria de Estado da Fazenda). Portanto, o DANFE garante que o consumidor não receberá produtos irregulares, falsificados ou com o CNPJ clonado de outra empresa. Tudo isso, aliás, é crime.

Como já foi dito também, o DANFE é essencial durante o transporte das mercadorias. Não possuí-lo pode resultar na apreensão dos produtos e uma dor de cabeça tanto para o remetente quanto para o destinatário. Também é o DANFE que comprova uma entrega, já que é recolhida a assinatura do destinatário confirmando seu recebimento. Daí a importância de não negligenciar o DANFE.

QUAIS DADOS O DANFE DEVE CONTER?

como-gerar-danfe-online (4)

Para que seja considerado válido, segundo a lei, o DANFE deve conter, obrigatoriamente, algumas informações sobre a operação em curso. A começar pelos dados de quem emitiu o documento, ou seja, a empresa, com sua razão social, CNPJ, endereço, etc. Além disso, os dados do destinatário, o comprador, também devem estar presentes no documento, como sua razão social e endereço.

Do mesmo modo, devem estar presentes no DANFE o tipo de operação (Entrada ou Saída) e a descrição das mercadorias. Bem como natureza da operação, valores e impostos, data e horário de saída da mercadoria, placa do veículo e transportadora. Juntamente com uma chave de acesso (sequência numérica de 44 dígitos) e um código de barras que permite leitura óptica.

Além disso, o DANFE deve possuir um layout padronizado previamente estabelecido pela Receita Federal e disponível no Portal da NF-e. Da mesma forma, elementos gráficos, como logo da empresa, podem ser adicionados desde que não prejudiquem a leitura do documento. Por fim, caso as informações ocupem mais de uma página, o DANFE deve ser emitido em páginas numeradas.

Junte-se a mais de 100.000 empresas.Comece agora a utilizar o sistema ERP MarketUP 100% gratuito.

ONDE E COMO GERAR DANFE ONLINE?

como-gerar-danfe-online (1)

Segundo recomendação do Ministério da Fazenda, NF-e e DANFE devem ser gerados pelo mesmo sistema a fim de evitar divergências. Sendo assim, por que não contar com o sistema gratuito da MarketUP para emitir suas notas fiscais e gerar DANFE? Para isso, basta configurar o sistema MarketUP utilizado por sua empresa para que faça emissão destes dois tipos de documento. Viu como é fácil?

No entanto, se você ainda não utiliza o sistema gratuito MarketUP para emitir suas notas fiscais, saiba por que fazê-lo:

É GRATUITO

A gratuidade integral do sistema MarketUP é um grande diferencial a ser considerado frente a outros emissores de nota fiscal. Com ele, você economiza uma quantia considerável de dinheiro anualmente, que pode ser revertida em investimentos para o seu negócio. Afinal, todo bom empreendedor sabe que reduzir custos sem perder a qualidade é a melhor maneira de aumentar seus lucros

É ONLINE

Contar com serviços totalmente online como o emissor fiscal da MarketUP na sua empresa é garantia de praticidade e agilidade. Afinal, gerar NF-e e DANFE com mais rapidez no dia a dia é garantia de mais produtividade em seu negócio. Além disso, com um sistema online, você nem precisa se preocupar com equipamentos de última geração para tocar seu negócio. Basta um computador, tablet ou celular.

É SEGURO

Cuidar da segurança dos próprios dados e dos dados de clientes deve ser uma preocupação constante de qualquer empresa séria. Mas não deve jamais se tornar uma dor de cabeça. E é por isso que o sistema de gestão empresarial da MarketUP pode fazer toda a diferença em seu negócio. Faça a emissão de NF-e e DANFE com a certeza de que todas as informações estão 100% seguras e protegidas.

Por: Luis Carvalho

Junte-se a mais de 100.000 empresas.Comece agora a utilizar o sistema ERP MarketUP 100% gratuito.

Contribuinte paulista do Simples Nacional deverá emitir NF-e no modelo 55

Desde a última segunda-feira (1), cerca de 300 mil Microempresas e Empresas de Pequeno Porte do Estado de São Paulo não poderão mais emitir notas fiscais modelos 1 ou 1-A em papel.

 

O contribuinte optante pelo Simples Nacional deverá emitir o documento fiscal modelo 55 em todas as suas operações de entrada e saída na empresa.

 

Caso a empresa não tenha aplicativo próprio, é possível encontrar diversas soluções de emissão de NF-e, inclusive gratuitas, no mercado como a MarketUP.

 

Com a MarketUP você consegue emitir notas fiscais para seu estabelecimento e ficar de acordo com as leis fiscais.

 

Vale ressaltar que a obrigatoriedade de emissão de NF-e não se aplica aos MEIs (Microempreendedor Individual).

 

A exigência de emissão de Nota Fiscal eletrônica (NF-e), em substituição à Nota Fiscal modelo 1/1A em papel, foi definida pela Secretaria da Fazenda para os contribuintes do Simples Nacional, conforme a Portaria CAT nº 36/2018, publicada no Diário Oficial em maio.

 

 

 

Conheça alguns benefícios da Nota Fiscal Eletrônica

Saber alguns benefícios da Nota Fiscal Eletrônica é fundamental para os empreendimentos emissores, se informar sobre esta forma de fisco te deixa mais preparado

 

A Nota Fiscal Eletrônica surgiu como uma alternativa mais prática para a emissão de notas fiscais, modernizando esse processo para as empresas, além de efetivamente reduzir custos e melhorar o controle da Receita Federal contra fraudes fiscais. Caso você tenha dúvidas sobre como a NF-e pode impactar positivamento no cotidiano do seu negócio, acompanhe o nosso post de hoje em que apresentaremos alguns dos benefícios da nota fiscal eletrônica.

 

Praticidade

 

Uma das principais vantagens da NF-e é a agilidade de comunicação entre a empresa emissora e a Receita Federal. Ao gerar uma nota fiscal eletrônica, as informações são repassadas automaticamente via internet para a Receita. É importante lembrar que todos os dados de uma operação com emissão de NF-e ficarão disponíveis para consulta na internet. Os dados são acessados através de uma chave de segurança emitida no DANFE (Documento Auxiliar de Nota Fiscal Eletrônica) – via impressa única com uma versão simplificada da Nota para o trânsito de mercadorias.

 

Redução de custos

 

Um relatório da Billentis, empresa especializada em faturamento eletrônico, informa que a redução de custos nas finanças de uma empresa emissora de notas eletrônicas pode chegar até 80%, se comparado com o faturamento tradicional em papel.

 

O relatório ainda explica que o investimento necessário para o processamento das notas possui um prazo médio de retorno de seis meses. Esse fator aponta para um caminho de inovação aliada com a redução de custos. “Atualmente, os departamentos de finanças enfrentam um ambiente de negócios complexo e exigente, que requer uma forte experiência comercial, tornando a inovação um motor essencial da excelência do departamento”, explica Bruno Koch, proprietário da Billentis.

 

Atitude Sustentável

 

Por fim, vale salientar que a utilização de notas fiscais eletrônicas é também uma atitude sustentável. Reduzindo a impressão de papel, sua empresa gerará menos impactos negativos no meio ambiente, o que consequentemente trará grandes benefícios para a sociedade.

 

Por: João F. Barros

Saiba como verificar instabilidades na Sefaz de seu estado

Em certos momentos a Secretaria da Fazenda de certos estados passa por instabilidades, prejudicando a emissão de NF-e

Uma situação que acontece em certos momentos com os empresários emissores de Nota Fiscal Eletrônica (NF-e) é eles não conseguirem emitir suas notas em certos momentos do dia. E uma questão prevalece, por qual motivo isso acontece? Uma das respostas podem ser instabilidades do servidor da Sefaz (Secretaria da Fazenda) de seu estado, o que impede a comunicação entre a MarketUP e o Fisco.

Para saber se em algum momento em específico a Sefaz de seu estado está instável, existe um meio simples e prático, do qual você pode entrar no Portal da Nota fiscal Eletrônica da Secretaria da Fazenda e verificar se seu respectivo estado está com a cor verde, como o indicado abaixo:

intabilidades-marketup-sefaz

Além das siglas dos estados respectivos, você pode verificar a disponibilidade através das legendas:

instabilidades-marketup-sefaz

O que é necessário para emitir uma NF-e?

1ª ETAPA: Adquirir um Certificado Digital (do tipo e-CNPJ, NF-e no modelo A1 ou A3)

A Nota fiscal Eletrônica é um arquivo digital e para que tenha validade junto a Secretaria da Fazenda, ele deve conter uma assinatura digital, ou seja, uma garantia de autenticidade do arquivo eletrônico – o que comprova que a empresa realizou o envio da NF-e para o portal.

Existem duas opções para a emissão de nota fiscal eletrônica: NF-e ou e-CNPJ. A diferença é que o certificado NF-e pode ser emitido em nome de um funcionário, ficando apenas para emissão de Nota Fiscal, sem acesso aos demais dados da empresa. Já o e-CNPJ só pode ser emitido em nome do responsável legal pela empresa.

Você pode adquirir seu certificado através da nossa UpStore! Basta fazer login no seu ERP e ir na aba UpStore e aproveitar as vantagens dos parceiros MarketUP.

Após você adquirir o certificado digital, você precisa registrar o seu Certificado Digital no sistema MarketUP. Veja as FAQs:

2ª ETAPA: Credenciamento junto à Secretaria da Fazenda

Além do seu Certificado Digital, você precisa fazer o credenciamento junto à Secretaria da Fazenda do seu estado.

17_Nf-e_aten__o.png

3ª ETAPA: Como configurar a Nota Fiscal no MarketUP

Acesse CONFIGURAÇÕES > FISCAL> NFe, habilite e preencha os campos:

– Nº da próxima NFE

– Nº da Série

– Orientação da impressão

(Não preencha o quadro de inutilização).

4ª ETAPA: Emitir uma NF-e. 

Crie um pedido de venda em: Vendas > Pedidos > Adicionar novo.

Depois de Faturado e Concluído, clique em Emitir que aparecerá no final da tela.

• Se o seu certificado digital for A3, seu Marketup Desktop precisa estar aberto e rodando, o Token/Cartão do certificado precisa estar plugado em sua máquina. Quando você solicitar a emissão, o sistema irá abrir uma página do Marketup Desktop para que você selecione o seu certificado e a emissão seja concluída.

Habilite a emissão de NF-e no MarketUP

Para habilitar a emissão de NF-e no MarketUP, acesse o menu FISCAL > CONFIGURAÇÕES > NF-e. Habilite o campo ‘Deseja Habilitar a Emissão de NF-e Através do MarketUP’, alterando o botão de cinza para verde.

14_HAbilitar_nfe.png

Em seguida, preencha as informações do número da próxima NF-e, N° da Série e clique no botão SALVAR.

15_Numero_salvar.png

 

Pronto, a emissão de NF-e através do MarketUP está habilitada.

Agora é necessário configurar o tipo de certificado que será utilizado para emitir suas notas.

 

 

Para outras dúvidas, entre em contato com a Central de Suporte.

Nota Fiscal Eletrônica do Consumidor é obrigatória no Tocantins

A Nota Fiscal Eletrônica do Consumidor já é obrigatória em Tocantins, automação comercial é indispensável para exigência

A Nota Fiscal do Consumidor Eletrônica a NFC-e já foi anunciada como uma das grandes mudanças no estado de Tocantins para o ano de 2018. Em junho deste ano o governo do estado publicou a obrigatoriedade da NFC-e  em substituição ao PAF/ECF.

Com esta nova mudança, muitas empresas ficam pendentes da regularização por falta de soluções tecnológicas viáveis que realizem  a emissão destes processos que estão cada vez mais complexos. Por este motivos a automação comercial tem sido uma solução para as mudanças fiscais das empresas.

Para o empresário, as vantagens giram em torno da economia e burocracia: antigamente, todas as impressoras emissoras de cupom fiscal precisavam ser autorizadas pelo FISCO. Além disso, o custo dos equipamentos também era alto. Com a NFC-e, a empresa pode imprimir de qualquer máquina, reduzir o desperdício de papéis e ter maior controle das notas geradas e enviadas à SEFAZ.

Obrigatoriedade no Tocantins

O texto publicado no diário oficial dia 20 de junho determina que empresas em início de atividade já devem estar em conformidade com a legislação a partir do dia 1º de julho e que, para as demais situações (empresas já estabelecidas de todas as naturezas tributárias – Simples Nacional, Lucro Presumido e Lucro Real) , o prazo tem dilatação maior), até 2019, ficando isento da exigência apenas Microempreendedores Individuais, MEIs.

O que é a NFC-e?

De maneira geral, a NFC-e é um documento digital, com emissão e armazenamento eletrônico. Ele irá substituir as notas ficais de atendimento ao consumidor de modelo 2 e os cupons fiscais emitidos por ECF (Emissor de Cupom Fiscal).

Especialistas apontam a NFC-e como uma ferramenta revolucionária, tanto para consumidores, quanto para empresas e o Fisco. O seu grande foco é proporcionar agilidade, inovação, praticidade e redução de custos.

Vantagens da NFC-e para a sua empresa:

• Simplificação de processos tradicionais para se iniciar e operar um negócio: com seu CNPJ ativo, basta que você ou seu contador entre no site da Secretaria da Fazenda do seu estado para se cadastrar e fazer a emissão.
• Dispensa o uso de hardware e equipamentos específicos para emissão fiscal: com a NFC-e você poderá emitir suas notas a partir de impressoras comuns.
• Transmissão em tempo real das NFCs-es: elas são automaticamente transmitidas para o Fisco de modo integrado, sem processos manuais.
• Integração com dispositivos móveis: tanto você quanto seus clientes poderão acessar a NFC-e de qualquer lugar.
• Redução de gastos em compras de hardwares de automação comercial: com a NFC-e você não precisará se preocupar com a compra de impressoras fiscais e outros hardwares de automação.

É obrigatório emitir?

A obrigação de emitir a NFC-e, e o seu cronograma de adesão, é de responsabilidade de cada estado. Para saber se seu estado já aderiu a NFC-e e se já é obrigatória a emissão para as empresas, consulte o site da Secretaria da Fazenda de seu estado ou o seu contador.

O que você precisa para emitir a NFC-e?

Antes de iniciar a configuração do seu MarketUP para a emissão da NFC-e é necessário seguir os seguintes passos:

• Possuir o Certificado Digital de Pessoa Jurídica A1 ou A3 (Certisign disponibiliza ambas);
• Ter um computador conectado a internet;
• Dispor de uma impressora comum (térmica ou laser);
• Obter o Código de Segurança do Contribuinte (CSC) ou DT-e e o ID TOKEN pelo atendimento online no portal da Secretaria de Fazenda do seu estado;
• Escolha um emissor de NFC-e para que você possa fazer a emissão, como a MarketUP, que é inteiramente gratuita;

Como emitir o NFC-e pelo seu sistema de gestão MarketUP

Parece difícil de acreditar, mas o MarketUP é o único Sistema de Gestão totalmente gratuito, sem limites de uso e online do mercado. Nosso ERP conta com recursos como o Controle de Estoque, Cadastro de Produtos e Serviços, Cadastro de Clientes e Fornecedores, Gestão Financeira, PDV, Emissor de NFC-e e até mesmo uma Loja Virtual gratuita, para aumentar suas fontes de capital.

Veja o passo a passo para emissão da NFC-e pelo seu MarketUP:

  1. Para emitir sua NFC-e no MarketUP, primeiramente você deve configurar seus dados para a emissão no menu FISCAL;
  2. Depois, habilite um PDV no seu computador, clicando em HABILITAR no canto superior direito;
  3. Lembre-se de marcar a opção “Emitir NFC-e”;
  4. Pronto! Ao abrir o caixa (PDV) e realizar uma venda, você já poderá emitir a NFC-e;

Caso queira um tutorial em vídeo, temos um guia no Youtube.

Você também poderá entrar em contato conosco através do e-mail atendimento@marketup.com
ou visitar nossa FAQ.

Fonte: JM Notícia

Decretada a obrigatoriedade da NFC-e em postos no ES

Governador do Espírito Santo (ES) antecipa obrigatoriedade do uso da Nota Fiscal do Consumidor (NFC-e) em postos de combustíveis

A razão da obrigatoriedade do uso da NFC-e é dar mais transparência à prática de preços adotada pelo setor no Estado do Espírito Santo (ES). O governador Paulo Hartung assinou nesta segunda-feira (4) o decreto que estabelece novo prazo de adesão dos postos de combustíveis a Nota Fiscal do Consumidor Eletrônica.

Antecipação da obrigatoriedade

A razão de anteciparem a obrigatoriedade da NFC-e é oferecer maior transparência à prática de preços adotada pelo setor no Estado. De acordo com o secretário de Estado da Fazenda, Bruno Funchal aos sites Gazeta Online e Aqui Notícias, essa é uma ação importante do Governo do Estado. “As informações geradas pelas NFC-e vão alimentar o aplicativo Menor Preço e permitir a consulta por todos os cidadãos em tempo real. isso dá mais transparência”, ressaltou o secretário.

Para os outros estabelecimentos varejistas do Estado que já utilizam o Emissor de Cupom Fiscal (ECF), o prazo para emissão da NFC-e e continua o mesmo até o final de 2018 ou até que se esgote a memória a memória do equipamento, prevalecendo o que ocorrer primeiro.

O contribuinte que não estiver credenciado estará sujeito às penalidades da lei, como ter seus documentos fiscais considerados inidôneos e a suspensão da permissão de envio e recebimento da Nota Fiscal Eletrônica (NF-e).

Menor Preço

Está disponível gratuitamente na para Android e iOS, o Menor Preço compara o quanto custa o mesmo produto em diversos estabelecimentos. Para os combustíveis, já existe no aplicativo um ícone específico para consulta por tipo de produto.

Os preços são atualizados em tempo real, com base nos registros das Notas Fiscais do Consumidor Eletrônica (NFC-e). Entre os produtos disponíveis para consulta no Menor Preço, estão os combustíveis, alimentícios, medicamentos entre outros.

Fontes: Aqui NotíciasGazeta Online e SECOM-ES

Termos e expressões sobre Marketing e Empreendedorismo

Conheça os termos e expressões mais comuns do Marketing, Empreendedorismo e Finanças

Para escapar da crise financeira, é comum que muitas pessoas acabem abrindo o seu próprio negócio. Porém, como sabemos empreender é uma difícil, existem vários termos e expressões do meio que, não aprendermos podem nos custar caro no futuro.

Por este motivo, montamos uma lista com termos e conceitos relacionados ao Empreendedorismo e Marketing, com uma apresentação simples e sucinta. Para que todos entendam, desde aquele que esta começando agora, até mesmo para aqueles que já tem intimidade com o assunto.

Em sua maioria, são palavras advindas da Língua Inglesa, assim como expressões muito usadas em livros e artigos relacionados a varejo e empresas. Confira:

Certificado Digital

É um arquivo eletrônico que funciona como uma assinatura eletrônica e garante a proteção das transações comerciais. Veja o Certificado Certsign.

CSC

O “Código de Segurança do Contribuinte”, é um código de padrão variável entre os estados brasileiros e fornecido ao contribuinte através da Secretaria da Fazenda. Faz parte do QR Code da NFC-e serve para autenticar o DANFE.

Capital de giro

Recursos utilizados para cobrir os custos do dia a dia da empresa e dar continuidade às atividades entre o pagamento de despesas e a receita.

Ticket médio

Média de quanto seu cliente gasta em uma compra; o quanto você ganha por cliente atendido.

Networking

Construir uma rede de contatos para possíveis parcerias.

ROI

Significa “Return on Investment” que se traduz para “Retorno sobre Investimento”. Percentual da quantidade de dinheiro recebido em relação à quantidade de dinheiro aplicado.

CNPJ

“Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica” é o código que identifica a empresa/pessoa jurídica na Receita Federal Brasileira.

CLT

“Consolidação das Leis do Trabalho”, conjunto das leis que regulam o trabalho individual ou coletivo nas empresas.

CNAE

“Classificação Nacional de Atividades Econômicas”, a padronização das atividades econômicas utilizada pelos órgãos tributários do Brasil. É o código CNAE que permite, ou não, optar pelo Simples Nacional.

NF-e

“Nota Fiscal Eletrônica”, versão digital da nota fiscal, emitido e armazenado eletronicamente, que documenta a circulação de mercadorias.

NFC-e

“Nota Fiscal ao Consumidor Eletrônica”, substitui o Cupom Fiscal e facilita as transações no varejo.

SAT

“Sistema de Autenticação e Transmissão”, equipamento que possibilita a substituição do Cupom Fiscal Eletrônico.

CSOSN

“Código de Situação da Operação no Simples Nacional”, código necessário para emissão de notas fiscais por empresas optantes do regime Simples Nacional.

CFOP

“Código Fiscal de Operações e Prestações”, código referente às entradas e saídas de mercadorias, intermunicipais e interestaduais, indicando a natureza de circulação da mercadoria.

NCM

“Nomenclatura Comum do Mercosul”, código utilizado para padronizar e identificar mercadorias nos países do Mercosul. Em produtos que circulam no Brasil, o NCM acompanha o CEST.

CEST

“Código Especificador da Substituição Tributária”, identifica e padroniza a cobrança de impostos em todo o território nacional.

DARF

“Documento de Arrecadação de Receitas Federais”, documento gerado pela Receita Federal, para que pessoas jurídicas declarem seus rendimentos e outras informações relevantes ao fisco.

DAS

“Documento de Arrecadação do Simples Nacional”, similar ao DARF, o DAS recolhe os tributos das PMEs que optam pelo Simples Nacional. O DAS deve ser pago mensalmente por quem é MEI.

ICMS

“Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços”, também se aplica a produtos importados.

I.E

“Inscrição Estadual”, registro do contribuinte no cadastro do ICMS na Receita Estadual.