No Mundo Empresarial, Inovar é Essencial Para Ter um Negócio Sustentável

MarketUP é notícia em um dos mais tradicionais semanários de Goiânia, o Jornal Opção. Na matéria “Mundo empresarial, inovar é essencial para ter um negócio sustentável” , o jornalista Yago Rodrigues Alvim afirma que o Sebrae “disponibiliza ao pequeno empreendedor programas e ferramentas que acreditam na inovação”, como o nosso ERP. Leia a seguir alguns trechos da reportagem.

Vez e outra, vem à cabeça a ideia de pintar a parede do quarto, trocar os móveis de lugar. Vem ainda a busca por um corte de cabelo diferente, atualizar o guarda-roupa com diferentes vestes e sapatos ou mesmo a vontade de conhecer um lugar novo. Vem diariamente e repentina diversas ideias de se recriar. Dos dicionários, novidade, inventividade é conceito de inovação/inovar, que requer pôr em ação – o que não é nada fácil; dispendioso, muito ao contrário.

Certamente pode ser dispendioso, no sentido de trabalho, de se dispor atenção àquilo, mas não necessariamente caro (no sentido financeiro). É nisto que muitos empreendedores e empresários acreditam. Claro, tornar a vontade, o sonho de um empreendimento em algo real/concreto em si já é de cara um passo a ser dado, de preferência com cuidados; imagina inovar. Entretanto, bem como na vida pessoal, “dar um up” no empreendimento é sim uma das boas ideias.

Diante o atual cenário econômico brasileiro, os cuidados para se ter um negócio mais que dobraram; com isso, os empresários já no mercado têm procurado meios de se tornar mais competitivos e inovar-se é, sem dúvida, um dos melhores caminhos. Isso, pois a inovação cabe nas mais diversas áreas (marketing, gestão) de uma empresa dos mais diversos setores (indústria, comércio).

Um dos serviços que mais auxiliam o pequeno empresário é o Serviço Nacional de Apoio às Micro e Pequenas Empresas, o Sebrae. O diretor-superintendente da seccional goiana do Serviço (Sebrae-GO), Igor Montenegro, reforça que a inovação é, de fato, necessária para o fortalecimento de empresas, principalmente, as micro e pequenas.

— No mundo empresarial, inovar é fator principal para que as empresas possam trazer dinheiro novo para o caixa, fazendo algo diferente, mudando hábitos, processos e produtos. De forma arrojada, o Sebrae-GO tem atuado junto aos pequenos negócios da cidade e do campo para que os empreendedores possam acessar novas tecnologias, informações e conceitos de inovação e transformar seus processos e produtos, dando uma roupagem diferenciada e lucrativa.

Por vezes, a inovação não exige investimentos financeiros, mas um jeito diferente de administrar um departamento da empresa com o propósito de gastar menos e aumentar o lucro. Dois exemplos que o Sebrae traz e que exemplificam ações de inovação para a pequena empresa é o MarketUP e o Programa ALI (Agente Local de Inovação). Este último é realizado em parceira entre o Serviço e o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) com o objetivo de promover a prática continuada de ações de inovação nos pequenos negócios, por meio de orientação proativa, gratuita e personalizada dos agentes locais de inovação, que visitam as empresas.

Em cada empresa, os agentes realizam um trabalho eficaz. Após visitas individuais, eles realizam diagnósticos, fazem apresentações, elaboram relatórios, buscam informações que subsidiem o acompanhamento à empresa, prospectam fontes de recursos e de apoio, contribuem para a elaboração e acompanham o plano de trabalho da empresa beneficiada, acompanham e facilitam o processo de inovação.

Já o MarketUP é um sistema gratuito, funcional e que permite ao empresário administrar seu negócio de forma planejada. Para ambas as soluções, o Sebrae-GO coloca sua equipe técnica à disposição dos empreendedores e empresários interessados em receber tais serviços — explana Montenegro.

A coordenadora estadual do Programa ALI, Lúcia Amélia de Queiroz, esclarece alguns de seus aspectos. Segundo ela, o programa fomenta a inovação nacionalmente e que, em Goiás, ele está disponível em todas as regionais do Serviço (o que não significa necessariamente em todas as cidades). Da parceria com o CNPq, são selecionamos pelo Sebrae recém-formados, de 0 a 3 anos de formado no mercado. Eles passam por um processo seletivo e, depois, vão a campo.

Nesse ínterim, são capacitados em gestão e inovação. Para cada dez agentes, um consultor-sênior trabalha juntamente, os auxiliando e apoiando. Assim, eles dão início ao trabalho na empresa. Este consiste, primeiramente, em um diagnóstico, de gestão e de inovação, a fim de saber como a empresa está, o que ela tem de pontos fortes e o que pode ser melhorado.

Com base nele, o agente elabora um plano de ação para que ela tenha uma melhor gestão e cresça ainda e se torne mais competitiva. O diagnóstico tem como modelo o diagnóstico do Prêmio de Competitividade para Micro e Pequenas Empresas (MPE Brasil), que observa os critérios de excelência em gestão, como, liderança, pessoas e sociedade.

Neste ano de 2016, as atividades da seccional começaram em fevereiro, quando os agentes foram a campo para realizar a adesão das empresas (etapa que termina no final de julho). Depois, eles têm o período de dois anos para trabalhar no diagnóstico junto a elas. Cada agente atende 40 empresas; no estado, o Sebrae conta com 60 agentes no programa, o que resulta em 2400 empresas atendidas. Segundo Lúcia, até o momento, 1546 empresas aderiram ao programa, o que significa cerca de 60% das vagas ocupadas.

Quando indagada sobre o maior benefício para a empresa, a coordenadora responde sem titubear que é a inovação. Ela ainda reforça que a inovação pode sim não ser tão dispendiosa como se pensa; diz: “é possível sim realizar inovação mais simples, menores. Pode ser em serviço, em marketing”. Ao participarem do programa, os empresários/empreendedores se dão conta das inúmeras possibilidades e oportunidades que têm, ao descortinarem novas perspectivas.

— O diagnóstico, diz Lúcia Amélia, (que vem de uma medição realizada, no mínimo, quatro vezes, ao longo de dois anos; ou seja, uma boa análise) é um retrato da empresa; como ele está no mercado, seus pontos fortes e o que pode melhorar em qualquer área. Nessa época de crise, em que as empresas têm poucos recursos para inovar/investir e precisam captar novos clientes, a inovação é essencial, muitas simples, que não dispendem gastos. Ela é importante para que a empresa se torne mais competitiva, e competividade é um dos critérios de excelência em gestão.
Ferramenta web MarketUP otimiza gerenciamento de vendas e compras de empreendimentos

A cada dia, o brasileiro tem um perfil mais empreendedor e, para estar no mercado de forma competitiva e sustentável [termo ligado à longevidade], é preciso uma gestão qualificada. A MarketUP é uma ferramenta que auxilia o empreendedor no desafio de gerenciar uma empresa e de melhorar os processos de venda, sem custos algum.

Segundo o sócio e diretor de negócios Luis Fernando Gracioli, a Mar­ketUP oferece ao empresário um sistema de última geração, top do ponto de vista tecnológico, completo quanto aos recursos e 100% grátis — ele não tem limite de uso ou custo algum escondido no uso da solução. “O empresário conseguirá gerenciar melhor seu negócio e terá ferramentas para melhorar seu processo de venda e de compra”, simplifica.

Ex-diretor de Internet e Ino­va­ção do grupo RBS, da região sul do Brasil, conglomerado midiático filiado a Globo, onde trabalhou por 17 a­nos, o gaúcho de Porto Alegre (RS) Gracioli mora atualmente em São Pau­lo, onde funciona a empresa. Ele conta que a MarketUP venceu uma chamada pública do Sebrae nacional e, hoje, é uma das ferramentas digitais do Serviço, no mercado brasileiro.

“Acreditamos nas micros e pequenas empresas enquanto o grande motor da economia brasileira. Temos como missão ajudar no desenvolvimento e crescimento delas através do nosso sistema”, afirma Gracioli. A MarketUP é uma startup com apenas três anos, porém já é o Sistema de Gestão e Vendas gratuito utilizado por mais de 250 mil empresas.

Ele é um sistema de gestão completo, um ERP (sigla da ferramenta web) de gerenciamento de compras, estoque, relatórios e outros; e que, além da gestão, disponibiliza três canais de venda. Um deles é de venda por orçamento e pedido; outro de automação comercial, que é relacionado à venda de varejo; e, ainda, a plataforma virtual, que possibilita ao empreendedor/usuário criar sua própria loja virtual para vender para seus clientes e também realizar compras para revenda.

A ferramenta registra todas as venda do site e/ou da loja física; registros estes que vão para o sistema de gestão, onde se tem uma visão do estoque, fluxo de caixa, relatórios e demonstrativos de resultados. “Você enxerga o que vendeu, a que preço vendeu e para quem [perfil do comprador], quanto ainda tem em estoque, o que deve comprar; a solução automatiza todo o processo da empresa”, explica.

O uso da ferramenta é simples: o empreendedor acessa o site, cadastra-se e tem todas as funções à disposição. Como bem disse Igor Montenegro, a MarketUP é uma solução em inovação para empreendimentos de Goiás ou qualquer outro estado brasileiro, a fim de que se torne cada dia mais competitivo, em um mercado cheio de mesmices.

A matéria na integra pode ser lida clicando aqui.

– 

Por Ed Leandro 
Com informações do jornal Opção