Últimas postagens

Ver todos

Marketplaces: novo canal de venda

Não podemos negar a evolução do mercado de marketplaces no Brasil. Com a crise causada pelo novo coronavírus, novos canais de vendas estão sendo cada vez mais procurados pelos empreendedores.

Com o mercado competitivo, as empresas começaram adotar novas estratégias para alcançar novos clientes: os marketplaces.

Vender pela internet é uma das alternativas que milhares de empreendedores possuem para continuar suas atividades em meio a pandemia do novo coronavírus.

Muitos empreendedores estão criando lojas virtuais para realizar essas vendas, porém, ainda há aqueles que não conhecem os marketplaces. Essas plataformas também podem ser canais de vendas para esses comerciantes.

Mas, afinal o que é um Marketplace?

Marketplace

O marketplace é um modelo de negócios para a comercialização de produtos e serviços online. É uma plataforma de e-commerce que reúne diversas empresas e fornecedores em um único ambiente.

O que diferencia um marketplace de um e-commerce é que enquanto o e-commerce comercializa produtos e serviços, por meio de um site focado apenas nas vendas de uma só loja virtual, o marketplace possui uma proposta mais abrangente.Nele, é possível encontrar várias lojas vendendo seus itens e serviços.

Exemplificando melhor, os marketplaces são como os shoppings centers só que onlines. Ao acessar esta plataforma, o consumidor possui o acesso a uma infinidade de produtos, de diversos fornecedores em um único lugar.

Vender em um marketplace possui algumas vantagens para o empreendedor. Pois, os processos de Marketing e vendas ficam sob responsabilidade da própria plataforma. Já para o empreendedor, a responsabilidade é apenas da logística de entrega dos produtos e o armazenamento das mercadorias.

Vantagens de vender por um Marketplace

Neste momento de crise, ampliar as vendas é essencial para muitos empreendedores. Para você que possui uma loja virtual, não basta apenas investir na qualidade dos produtos ofertados, mas também é importante adotar estratégias de Marketing e até novos canais de vendas como o marketplace.

Apostar no marketplace é uma excelente forma de gerar novos negócios e clientes para sua marca.

Segundo a Ebit|Nielsen, os marketplaces apresentaram um crescimento de 13% no primeiro semestre de 2019, ficando acima da média registrada pelo e-commerce no mesmo período.

A seguir, vamos falar dos benefícios de vender em um Marketplace.

#VISIBILIDADE DA SUA MARCA

Um dos maiores atrativos da plataforma é a oportunidade que os empreendedores têm de atrelarem seus produtos a uma marca grande e conhecida. Ao fazer isso, a empresa ganha mais credibilidade e confiança do consumidor. Nos marketplaces, por existir uma diversidade de produtos e marcas, as pessoas acessam mais esses canais de vendas. O que aumenta mais a chance de você, empreendedor, realizar uma venda.

Muitos clientes podem não conhecer a sua loja virtual e com o marketplace passam a conhecer.

#MAIS FACILIDADE PARA VENDER

Alguns pequenos comerciantes, ainda possuem dificuldade em criar sua própria loja virtual – mesmo que existam diversas formas e alternativas fáceis como o MarketUP – isso dificulta e diminui as chances dos empreendedores venderem no ambiente online.

Nessas plataformas, os lojistas montam sua loja de maneira simples e fácil. Basta inserir os produtos em modelos pré-definidos. Um trabalho a menos para o empreendedor. Além disso, os marketplaces são ambientes totalmente equipados com bons recursos como: sistemas de pagamentos, sistema antifraude e muito mais.

#TAXAS DE PARTICIPAÇÃO DE LUCROS

Apesar dessas vantagens e facilidades que o pequeno empresário encontra nesse canal de venda. Vale lembrar que, ao vender nessas plataformas algumas taxas podem ser cobradas. Enquanto um shopping físico cobra de 3% a 8% sobre os ganhos dos comerciantes, a taxa de cobrança de um marketplace podem chegar a 25%. Existem alguns marketplaces que exigem taxas mensais e uma adesão inicial.  

Mesmo com as taxas, o empreendedor deve avaliar todas as questões para ver se compensa o investimento e o retorno em estar em um ambiente de muita visibilidade.

Veja algumas dicas para vender em um Marketplace

Apesar das facilidades em vender na plataforma, podemos afirmar que existe uma grande concorrência. Pois, o seu produto e/ou serviço está em um mesmo ambiente que muitos outros, inclusive concorrendo a audiência com grandes marcas. Por isso, investir em algumas estratégias pode contribuir para a venda de seu produto. Confira!

1.Invista em fotos

Na hora de expor seus produtos, escolha boas fotos e, se possível, vídeos. Além de uma descrição que contenha todas as informações importantes do seu produto. Apesar da descrição e utilidade do produto ser importante, conquiste também o cliente pelas imagens.

2.Descrição objetiva

Utilize uma linguagem clara e precisa sobre as informações de seus produtos. Não use termos técnicos, procure deixar a linguagem mais simples possível. Apesar de parecer óbvio para alguns, não deixe de explicar de forma didática a forma de utilização dos produtos.

3.Benefícios para o cliente

Uma das formas de “driblar” a concorrência é investir em benefícios ao seu consumidor. Portanto, procure oferecer frete grátis, descontos para consumidores que sempre compram com você ou que fizerem um grande volume de compras, além de parcelamentos sem juros. 

4.Interaja com seus clientes 

Não deixe seu cliente com dúvidas e sem respostas. Portanto, fique atento aos comentários e interações que surgirem de seus clientes. 

Quero vender em um Marketplace

Após ver as vantagens de vender em um marketplace. Veja a seguir quais plataformas disponíveis no mercado para você escolher.

1) MERCADO LIVRE 

O Mercado Livre é um dos marketplaces mais conhecidos pelos brasileiros. É uma das plataformas mais antigas na internet. Hoje é um dos maiores sites de vendas da América Latina. 

2) AMAZON

A Amazon é um dos marketplaces mais tradicionais do varejo e um dos mais conhecidos no mundo inteiro. Além disso, é famoso também pelos preços pequenos e os prazos de entregas mais competitivos do mercado.   

3) OLX

A plataforma ficou muito conhecida após emplacar um Jingle “ Desapega, Desapega, OLX”. Apesar de inicialmente ser um site para vender produtos ou coisas que não têm mais utilidade em sua casa. O Marketplace foi se transformando e hoje é um dos maiores sites de compras e vendas.

4) Marketplace do Facebook

O Facebook, uma das redes sociais mais utilizadas pelos brasileiros, também possui um espaço para compra e venda de produtos, tanto novos como usados, para todos os usuários das rede. O marketplace criado em 2016 e também pode ser uma alternativa para você, empreendedor.

5) Marketplace da MarketUP

A fim de tornar os PMES mais competitivos no mercado, a MarketUP conta com um Marketplace repleto de produtos de grandes parceiros. Empresas de renome como Grupo Martins, Unilever, Grupo Roge e Net Suprimentos.

A plataforma inovou o mercado industrial, possibilitando a venda de produtos de grandes Indústrias e distribuidores, diretamente para os empreendedores com condições exclusivas.

Além disso, após a crise do coronavírus e os impactos nas vendas de muitos pequenos e microempreendedores, a MarketUP expandiu a plataforma para que os pequenos comerciantes também pudessem vender através da ferramenta.

Para saber mais, acesse o site da empresa.

POR: TAINÁ ALMEIDA

Tendências: Como trabalhar os novos canais de vendas?

As mudanças de consumo geradas pela pandemia do novo coronavírus aceleraram o processo de transformação digital do comércio e do varejo como um todo, que já vinha sendo discutido há algum tempo. Com isso, novos canais de vendas ganharam força, assim como novas tendência já começam a ser debatidas. E foi esse o tema da Live realizada no última quinta-feira (18) pela MarketUP e que teve como convidado o sócio e VP institucional da Vetx, Alfredo Soares – um dos principais especialistas  em vendas e e-commerce do País. Como trabalhar os novos canais de vendas? Veja a seguir no texto.

“Nada do que está acontecendo é novo. Nós aceleramos o que vinha acontecendo. A transformação digital, bem como conhecer o cliente e ter um relacionamento mais humano já estavam em pauta”, reforçou o especialista.

Para ele, o que  vai ditar o novo normal são as empresas e não o consumidor, uma vez, que as mesmas estão mudando. As diversas companhias quebraram protocolos, modificaram a forma de delegar, de tirar projetos do papel, sem falar que a tecnologia ganhou um protagonismo dentro dessas instituições. As ideias passaram a nascer do digital. “Os negócios vão custear muito esse “novo normal”, não limitando o seu consumidor, mas dando opções diferenciadas. E dessas opções vão nascer novos negócios. Somente neste período tivemos milhões de consumidores que migraram para o online, pessoas que tinham objeções quanto a esse canal e hoje já estão aderindo”, complementa.

Esse passo para a inovação aproximou ainda mais as empresas do digital e podemos pontuar algumas tendências, entre novos canais de vendas, principalmente com o crescimento do e-commerce no varejo.

 

Local commerce

Vários negócios para sobreviverem à pandemia de Covid-19 aderiram a novos canais de vendas como o online, criando, por exemplo, suas lojas virtuais. Algo que se tornou realidade em pouco tempo e que ainda veremos novas mudanças simbolizando a transformação digital tão debatida pelo varejo.

Segundo Alfredo Soares, uma boa aposta como novo canal de venda é no local commerce, ou seja, e-commerces locais. Uma disruptura do que conhecemos hoje de que as vendas online precisam atender ao Brasil todo, 24 horas por dia. Com essa nova modalidade, será possível ter um e-commerce, trabalhando em uma região, com entregas na mesma localidade. O autor dos livros “Bora Varejo”e “Bora Vender” acredita que essa tendência terá um crescimento exponencial e que vai ser uma inclusão digital muito relevante para o País.

Além disso, ele vê no uso de ferramentas como CRM e meios digitais, como por exemplo, Instagram e Linkedin, grandes potenciais de conhecer cada vez mais o cliente e ter mais assertividade nas vendas.

 

Agilidade nas entregas

Com a pandemia houve uma aceleração no processo de logísticas das empresas. Podemos já observar produtos chegarem rápido do que o convencional. Para isso, as companhias acabaram com descentralização e estão repensando a distribuição. O que antes exigia a saída de produtos dos Centros de Distribuição, agora ganhou agilidade com a retirada de estoque das lojas próxima aos locais de entrega.

Não podemos esquecer ainda do serviço delivery, que também ganhou destaque, para agregar aos novos canais de vendas, e expandiu os horizontes para negócios além do segmento de alimentação, chegando inclusive ao varejo.

 

Retirada na loja

De acordo com Alfredo Soares, o serviço de “Retire na loja”, vai ter cada vez mais evidência. A modalidade que já existia ganhou mais força com a pandemia e com a necessidade de evitar contato físico, essa se tornou uma alternativa.

“Acredito que ainda vamos ver imóveis serem alugados para drive thru de negócios”, reforça o especialista.

 

Marketplace

O momento ajudou canais de vendas como o e-commerce e também contribuiu para trazer mais visibilidade para os marketplaces. No entanto, em relação a esse último ainda faltam alguns passos para aderência, como entender como pode ter vantagem e custo-benefício em estar em um canal como esse.

Atualmente grandes marcas já têm se preocupado em abrir suas plataformas para outros negócios, o que é vantajoso para aumentar a sua oferta de produtos e para  as empresas participantes de ter um crescimento das suas vendas, o que é algo interessante para pequenos empreendimentos ainda mais neste momento.

Entretanto, essa ferramenta que conecta o B2B, também pode existir em formato de bons negócios para empreendedores que não têm contato com grandes fornecedores. E é o que a plataforma MarketUP oferece. Além de ser um sistema de gestão completo, que ajuda tanto na administração de processos internos quanto na frente de caixa (PDV), também disponibiliza para os usuários uma Central de Compras, com as melhores marcas e a preço mais vantajosos para os pequenos negócios serem mais competitivos no mercado.

 

Influenciadores digitais

O relacionamento com o cliente vai ser o foco das grandes marcas. E nesse sentido, o papel dos influenciadores digitais, baseado na sua relevância, vai ser cada vez mais determinante e considerado entre os novos canais de vendas. 

Há um fortalecimento da marca quando muita gente fala sobre ela e nesse sentido as empresas vão precisar de embaixadores, influenciadores para consolidar e criar experiências.

A tendência, segundo Soares, é que as marcas se tornem verdadeira empresas de comunicação. Elas vão cuidar internamente do seu Marketing e relacionamento com o cliente.

Assim como a descentralização do Marketing, sendo utilizado como ferramenta para os departamentos, com ações mais segmentadas para os diversos tipos de públicos.

 

Loja online x Loja física

Na visão de Alfredo Soares, o futuro vai misturar os canais de vendas físico e online, bem como terá como fundamento a aquisição do cliente.

Vai ser preciso cada vez mais utilizar a tecnologia para conhecer o cliente e se relacionar da melhor maneira possível com ele. Será necessário ouvir e mudar a experiência desse consumidor.

“Os clientes querem ser representados pelas marcas. Eles querem realmente se sentir representados e serem ouvidos. Acredito que as marcas vão usar a internet e a tecnologia mais para esse fim”.

 

De uma maneira geral, vai ser muito importante para os pequenos empresários se prepararem para ter mais planejamento e conhecimento sobre gestão, principalmente, para visualizar as tendências que estão chegando cada vez mais rápido, inclusive, em relação novos canais de vendas para o varejo.

Usar a tecnologia em seu favor também vai ser um diferencial, excepcionalmente quando isso trouxer mais inteligência para a administração e para as vendas. Um software de gestão integrado com o estoque e que avisa e faz projeções do quanto você precisa de mercadoria para atender seus clientes, pode ser uma boa alternativa, por exemplo.